Diante da grave crise sanitária enfrentada pelo Amazonas em função da piora da pandemia do novo coronavírus, 15 grandes empresas e entidades do país se reuniram para realizar uma ação solidária com o objetivo de apoiar a região.

O grupo fará uma doação para o programa Unidos Contra a Covid-19 (unidos.fiocruz.br) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no valor de R$ 1,6 milhão, referente a uma usina de produção de oxigênio, que deverá dar suporte aos hospitais públicos da região. Até este momento, a Fundação doou 5 dessas usinas, com o apoio da iniciativa privada.

O grupo, intitulado Juntos pelo Amazonas, conta com a participação da Ambev, BNP Paribas, BRF, Coca-Cola Brasil, Grupo +Unidos, Magalu, Mercado Livre, Nestlé Brasil, Petrobras, Sesc, SulAmérica, WEG, Whirlpool, XP Inc. e Yamaha.

A ação destas empresas conta com o apoio institucional da Eletros – Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos –, que auxiliou na criação do grupo.

O compromisso das empresas no Juntos pelo Amazonas será com a doação dos recursos para as máquinas e acessórios da nova usina, que possui uma das mais avançadas tecnologias aplicadas a este tipo de equipamento e tem capacidade para atender uma unidade hospitalar em 12 leitos de terapia intensiva e 80 leitos de internação e pronto atendimento simultaneamente.

Cuidados

A diretoria da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) realizou a primeira reunião do ano na tarde desta quinta-feira (21).

A entidade recebeu os presidentes das associações empresariais e o secretário de Estado de Saúde, André Motta Ribeiro, que traçou um panorama da pandemia e explicou sobre o plano de vacinação em Santa Catarina.

Com a possibilidade de um terceiro pico ainda mais forte, o presidente da Facisc, Sérgio Rodrigues Alves, alertou que não há razão nenhuma de falar em Carnaval, mas que é um momento que a rede hoteleira e setor de eventos, que já foram os maiores prejudicados, possam atuar.

“Não podemos ser radicais, mas temos que ter uma situação de controle para não termos prejuízos para a saúde”.

Uma sugestão do presidente da Facisc foi reforçar as campanhas de cuidados.

Abaixo da inflação

Em dezembro, o reajuste salarial no Brasil ficou 0,9% abaixo da inflação. É o que revela o boletim Salariômetro, divulgado nesta sexta-feira(22) pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

O Salariômetro analisa os resultados de 40 negociações salariais, que são coletados no portal Medidor, do Ministério da Economia.

O reajuste mediano negociado foi de 4,3% em dezembro, enquanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), no acumulado de 12 meses, ficou em 5,2%.

O piso salarial mediano [que corrige discrepâncias] negociado foi de R$ 1.333 em dezembro, enquanto o piso médio foi de R$ 1.442.

Indústria

A prévia da Sondagem da Indústria de janeiro indica um recuo de 3,5 pontos do Índice de Confiança da Indústria (ICI) na comparação com o resultado de dezembro. Com a queda, passou para 111,4 pontos.

Segundo o Instituto Brasilerio de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), que elabora o indicador, se esse comportamento se confirmar, será a primeira retração desde abril de 2020.

Para o Ibre, a retração no resultado prévio da confiança industrial, divulgado nesta sexta-feira (22), no Rio de Janeiro, é reflexo da queda da satisfação sobre o momento presente e piora das expectativas em relação aos próximos meses.

O Índice de Situação Atual cairia 3,2 pontos, indo para 116,7 pontos, enquanto o Índice de Expectativas recuaria 3,6 pontos, passando para 106.