Com o objetivo ajudar a manter em atividade micro e pequenas empresas, empreendedores individuais (MEIs) e profissionais autônomos durante a retração econômica causada pela covid-19, a prefeitura de Jaraguá do Sul lançou um novo modelo para o Programa Juro Zero Municipal.

O prefeito Antídio Lunelli destaca que no ano passado, o Juro Zero movimentou mais de R$ 1,1 milhão, dinheiro este injetado na economia local, beneficiando 289 empreendedores.

“Pequenos empreendedores, que têm mais dificuldade de conseguir crédito com as instituições financeiras, tiveram a oportunidade de acesso a um dinheiro que serviu para mantê-los em atividade, num momento tão difícil”, comentou.

O Juro Zero 2021 traz algumas novidades importantes em relação ao anterior, como o aumento do limite máximo dos empréstimos para MEIs e autônomos, e para empresários de micro e pequenas empresas.

Os juros dos empréstimos foram pagos pela Prefeitura – com a condição de parcelas pagas em dia pelo devedor.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Daniel Gustavo Schmitz de Arruda, explica que “este novo modelo de programa vem para auxiliar as empresas e empreendedores a superarem este momento tão difícil que a economia vem passando”.

A expectativa é de que as adesões possam iniciar a partir desta semana.

“Estamos esperando aproximadamente 400 MEIs e microempreendedores para essa nova edição do programa. Nesta semana, assim que as cooperativas estiverem aprovadas pela comissão, iremos divulgar o passo a passo para os microempreendedores interessados”, adiantou Arruda.

Custos federais

Impulsionados pela pandemia de covid-19, os custos totais do governo federal totalizaram R$ 2,64 trilhões e aumentaram 16% em 2020 em relação a 2019, divulgou nesta terça-feira (6) o Tesouro Nacional.

O indicador mede os gastos dos Três Poderes da União e do Ministério Público Federal com mão de obra, funcionamento, insumos, gastos financeiros, desvalorização de patrimônio e repartição de receitas com estados, municípios e organizações da sociedade.

Os principais componentes que elevaram os custos foram o auxílio emergencial e o programa de proteção ao emprego, que fizeram o item insumos financeiros (gastos financeiros) crescer 19% em 2020, e as compras de equipamentos para enfrentar a pandemia, que elevaram os custos de funcionamento do Ministério da Saúde em 17%, de R$ 21,69 bilhões para R$ 25,33 bilhões.

Fraudes

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (6) a Operação Checker, que visa desmantelar uma organização criminosa que fraudava o auxílio emergencial.

Policiais federais estão cumprindo dois mandados de prisão preventiva e dois mandados de busca e apreensão no município paranaense de Umuarama.

De acordo com a PF, os suspeitos teriam usado programas de computador que, por meio de algoritmos, geram números do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e softwares chamados checkers, que indicavam titulares aptos a receber o auxílio emergencial.

Sábado Legal

No próximo dia 10, os consumidores de Jaraguá do Sul terão mais tempo para fazer as compras no comércio local, com mais uma edição do Sábado Legal, iniciativa da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) do município.

Com isso, as lojas ficam abertas até as 17h, facilitando o acesso dos clientes.

A entidade ressalta a importância das medidas contra a Covid-19, que incluem uso de máscara cobrindo boca e nariz, distanciamento social e higienização frequente das mãos.

Doações

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto autorizando todos órgãos ou entidades da administração pública federal, que tenham interesse em receber doações de pessoas ou empresas, a realizar chamamento público sem a necessidade de intermediação da Central de Compras do Ministério da Economia.

O decreto nº 10.667 foi publicado nesta terça-feira (6) no Diário Oficial da União.

Multa

A Secretaria-Executiva da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (SCMED) multou empresas do setor farmacêutico em R$ 15,2 milhões pela comercialização de medicamentos usados no enfrentamento à covid-19 acima do preço autorizado no Brasil.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa), a aplicação de multas é resultado de atividades de monitoramento e de fiscalização do setor, realizadas pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), cuja Secretaria-Executiva é exercida pela agência.