A arrecadação das receitas federais somou R$ 115,062 bilhões, em fevereiro de 2019, informou nesta quinta-feira (21) a Secretaria da Receita Federal do Ministério da Economia.

O crescimento real (descontada a inflação) comparado ao mesmo mês de 2018 chegou a 5,36%. É o maior resultado da série histórica desde o Plano Real, em 1995.

As receitas administradas pela Receita Federal (como impostos e contribuições) chegaram a R$ 112,957 com aumento real de 5,46%. No ano passado, a arrecadação tributária nacional total somou R$ 2,388 trilhões, somando impostos federais, estaduais e municipais.

De janeiro a fevereiro, a arrecadação somou R$ 275,487 bilhões, com crescimento real de 1,76%. As receitas administradas pela Receita chegaram a R$ 263,255 bilhões, com aumento real de 0,99%.

As receitas administradas por outros órgãos (principalmente royalties do petróleo) totalizaram R$ 12,233 bilhões, com crescimento de 21,81%.

Infraestrutura regional

Água, saneamento básico e energia elétrica, três itens de infraestrutura considerados fundamentais ao desenvolvimento de Jaraguá do Sul e região estão na pauta do Encontro Empresarial que a Acijs realiza na segunda-feira, dia 25.

A reunião dá sequência à agenda que a entidade vem cumprindo com o objetivo de debater assuntos que impactam no dia a dia das empresas, mas também seus reflexos na comunidade.

Para falarem sobre os dois temas estarão no encontro o presidente do Samae, Ademir Izidoro, e o gerente do Núcleo da Celesc, Wagner Felipe Vogel.

O Encontro Empresarial ocorre às 18 horas, no Cejas (Centro Empresarial de Jaraguá do Sul) e é aberto à participação de empresas associadas ou não à entidade, e o público em geral.

Informações pelo site, telefone (47) 3275-7027 e e-mail eventos@acijs.com.br.

Mercado de trabalho é pior para os jovens

O mercado de trabalho é mais severo com as pessoas de 18 a 24 anos. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os jovens enfrentam mais dificuldades para conseguir trabalho e, quando empregados, são os mais vulneráveis à demissão.

“A probabilidade de o jovem estando desempregado conseguir emprego é menor do que os outros trabalhadores. E uma vez empregado, a probabilidade de ele ser demitido é muito maior do que a dos outros trabalhadores. É uma conjuntura muito ruim para os jovens”, analisa a diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, Maria Andreia Parente Lameiras.

Taxa de juros em 6,5%

Pela oitava vez seguida, o Banco Central (BC) não alterou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano, na primeira reunião do órgão sob o comando do novo presidente do BC, Roberto Campos Neto. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Com a decisão de hoje, a Selic continua no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986.

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015.

Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018.

Nova diretoria da Aciag

Está marcada para o dia 11 de abril (quinta-feira), a cerimônia de posse da nova diretoria da Associação Empresarial de Guaramirim (Aciag), eleita no último dia 11 de março.

O evento, que contará também com um jantar, será no Salão da Paróquia Senhor Bom Jesus, em Guaramirim, a partir das 20h.

Os ingressos custam R$ 70 e já podem ser adquiridos na Aciag. Mais informações pelo (47) 3373-7500.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?