Foto Dielin da Silva/OCP News
Foto Dielin da Silva/OCP News

Enquanto alguns setores da economia desaceleram ou até param por conta da pandemia, outros têm muito para crescer durante a crise - caso da saúde e sanitização, tecnologia médica e dos serviços remotos e entregas.

Serviços de teleconferência e de streaming, em particular, têm registrado picos de demanda altos o bastante para obrigá-los a reduzir a qualidade da transmissão para garantir estabilidade: é o grande boom da Netflix e similares.

Enquanto isto, comércio, hotelaria, turismo e restaurantes são os que mais sofrem com as viagens suspensas, as aglomerações proibidas e a socialização reduzida.

Sofre também a indústria "não essencial", reduzida no Estado a no máximo 50% de sua capacidade - medida drástica, mas necessária, um compromisso entre a saúde pública e a saúde financeira das empresas.

O percentual é o considerado o ideal para garantir a redução de contágio - e com o consumo, a construção e outros investimentos reduzidos, a desaceleração da produção pode ajudar a evitar uma crise deflacionária com estoques acumulados.

Faz se necessária então uma malha de apoio para o momento de crise, pilares sobre os quais os setores mais prejudicados possam se sustentar e garantir o sustento de sua mão de obra, por ora restrita.

Parte desta malha já se formou com a criação de programas de crédito, suspensão de cobranças, recursos emergenciais e outras medidas de redução de impacto.

Vale lembrar que a queda no consumo e nos investimentos é temporária.

Ao ser retomada a normalidade, é inevitável que indústria, governo e consumidor queiram "recuperar o tempo perdido", assim por dizer, retomando obras, investimentos e compras - especialmente as compras e consumo de serviços.

Após dias de confinamento, entrando em sua segunda semana no Estado, não há quem não esteja doido para comer fora de casa, ir ao bar com os amigos ou tomar aquele banho de loja.

É com este espírito que devemos nos manter quando a quarentena passar.

Alívio para os cofres públicos

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprovou na tarde desta terça-feira (24), em sessão extraordinária virtual, o projeto que autoriza o governo catarinense a fazer empréstimo de US$ 344,7 milhões (o equivalente a mais de R$ 1,7 bilhão, no câmbio atual) junto ao Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird).

A proposta, que tramitava em regime de urgência com o número PL 431/2019, foi aprovada por 30 votos a nove.

O presidente, deputado Julio Garcia (PSD), destacou a mobilização dos deputados num momento delicado para Santa Catarina.

“A Assembleia diz mais uma vez sim à sociedade que ela representa. É dessa forma que nós vamos vencer o desafio que estamos vivendo”, declarou.

WEG estuda produzir álcool em gel

Na segunda-feira (23), a WEG encaminhou uma carta à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pedindo permissão temporária e emergencial para a fabricação e comercialização de álcool gel e álcool 70%.

As informações haviam repercutido em redes sociais e foram confirmadas pela empresa, que aguarda autorização da Anivsa antes de oficializar o projeto.

A fábrica da WEG Tintas em Guaramirim teria desenvolvido fórmulas para a fabricação de álcool em gel e líquido 70%.

Inflação em queda

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, ficou em 0,02% em março deste ano. Este é o menor resultado para o IPCA-15 em um mês de março desde o início do Plano Real (1994).

Segundo dados divulgados hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa é inferior ao 0,22% registrado em fevereiro e ao 0,54% observado em março do ano passado.

Com o resultado da prévia de março, o IPCA-15 acumula taxas de 0,95% no ano e de 3,67% em 12 meses.

Serviços de eletricidade

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (24) um pacote de medidas especiais em resposta à pandemia de coronavírus, incluindo a suspensão por 90 dias de cortes do serviço de eletricidade por inadimplência para consumidores residenciais e serviços essenciais.

As medidas, aprovadas em reunião extraordinária de diretoria do regulador realizada por meio de videoconferência, incluem também a flexibilização pelo mesmo prazo de algumas obrigações das distribuidoras de energia, como de atendimento presencial a clientes e entrega de faturas a domicílio.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema: