Boas novas para o mercado brasileiro: O crescimento do país deve se fortalecer neste ano e no próximo, estimulado pelo consumo e pelo investimento privado, segundo o Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos do mundo e com sede em Washington, nos Estados Unidos. A avaliação positiva do IFF vem a contribuir com os indicadores positivos que começaram a dar as caras desde o final do ano passado, com o fim do ciclo de recessão que se alastrava desde a segunda metade de 2014. Para o IIF, a recuperação gradual do emprego e das condições de crédito deve dar apoio às famílias e ao setor corporativo, incentivando a atividade. Mas isso não deve causar impacto significativo na inflação, que deve ficar dentro da meta do Banco Central, entre 3,0% e 6,0%, segundo a avaliação do órgão. Sem a pressão de preços, o BC poderá manter sua postura acomodatícia na política monetária. O IIF ressaltou, porém, que o déficit fiscal continua se apresentando como a principal fraqueza macroeconômica e pode penalizar a expansão se não for tratado - vale lembrar que o governo federal já cogitou mudar a 'regra de ouro' do orçamento e contrair mais dívidas para não ter problemas legais com o déficit crescente. Este último fator está entre os elementos que agravaram a piora nas avaliações de risco do país desde o final do ano passado - embora o risco tenha diminuído ao longo de 2018, com a queda nos juros, ainda há uma sensação de que a União não seja capaz de arcar com suas dívidas - o que pode afastar investimentos no país. O IIF acredita que fatores como o fortalecimento da economia sob as políticas vigentes, as finanças públicas frágeis e a alta pressão popular por medidas austeras devem limitar a capacidade do próximo governo de se distanciar do cenário macroeconômico atual - uma questão que fica é qual o destino do já precário serviço público neste caso.   Fabrica da Kellog's deve gerar 200 empregos em SC Santa Catarina está recebendo um investimento de R$ 215 milhões em uma nova fábrica de alimentos que deve entrar em operação em 2019, em São Lourenço do Oeste. O valor representa três anos de orçamento da Prefeitura local, e a fábrica deve gerar 200 empregos diretos. O empreendimento vai ampliar produção da Parati, empresa catarinense que, em 2016, foi comprada por R$ 1,4 bilhão pelo grupo Kellog's, líder mundial na produção de cereais.     PANORAMA NACIONAL Prévia do ICI demonstra queda A prévia da Sondagem da Indústria sinaliza queda de 0,7 ponto do Índice de Confiança da Indústria (ICI) em abril, em relação a março - ontem, havíamos comentado a alta do ICI, onde foi destacado que oscilações não são anormais. Com isso, o indicador recuaria para 101 pontos, depois de ter fechado março em 101,7 pontos. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Sob a métrica de médias móveis trimestrais, o Índice de Confiança da Indústria deve manter no fechamento do mês a tendência de alta iniciada no segundo semestre do ano passado, ao avançar 0,5 ponto, indo para 101 pontos. Petrobrás quer reduzir participação em refino A proposta de reposicionamento em estudo na Petrobras para o refino de petróleo prevê que a estatal poderá reduzir para 75% sua participação no mercado nacional. Atualmente, ela controla 99% do refino no país, com 13 refinarias. A proposta foi comunicada nesta quinta-feira, e prevê parcerias em duas refinarias no Nordeste e duas no Sul. Banco Central mantém foco em médio prazo O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta quarta-feira (18) que apesar de a inflação ter ficado abaixo da meta em 2017, a instituição continuará focando também no médio prazo. “Nós precisamos equilibrar os estímulos que demos à economia no curto prazo com o fato de que nós precisamos ficar atentos para manter a inflação baixa por mais tempo”, disse. Rede de varejo de tintas lança seguro de vida A maior rede varejista de tintas do país, A Tintas MC, está lançando um produto único: o Seguro de Vida Pintor, em parceria com a Corretora Loschiavo e Mapfre Seguros. Exclusivo para a categoria dos pintores, o produto possui cobertura nacional é e uma inovação no mercado, contemplando seguro de vida, proteção de acidentes pessoais e invalidez permanente por acidente. Se você quiser te coloco em contato com o idealizador do seguro. ANS estuda planos de saúde em franquia A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está discutindo a implantação de planos de saúde com pagamento de franquia, modalidade em que o consumidor tem de arcar com um valor além da mensalidade se precisar fazer exames ou consultas que não estão previstos no contrato -  também está em pauta a modalidade de plano de saúde com coparticipação, na qual o consumidor paga uma parte dos custos dos procedimentos.