Jaraguá do Sul fechou o mês de agosto com a abertura de 512 novos postos de trabalho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na quarta-feira (29) pelo Ministério da Economia.

O saldo é resultado de um total de 3.617 admissões e 3.161 desligamentos no mês, o quinto melhor resultado do ano, sem meses com resultados negativos. O melhor mês para a geração de emprego em Jaraguá do Sul foi fevereiro, encerrando com a abertura líquida de 1.338 postos de trabalho.

No acumulado do ano, Jaraguá do Sul abriu 5.750 postos de trabalho, contra uma perda de 922 no mesmo período de 2020.

Com o resultado, o município conta com 70.190 empregos com carteira assinada, pouco mais de metade dos quais atuam na indústria de transformação: são 36.505 pessoas empregadas no setor, o principal ramo de atividade no município. O setor é seguido por serviços, com 19.885 trabalhadores, e o comércio, com 11.302.

A Indústria também foi o principal gerador de emprego do mês, com saldo de 518 postos, enquanto os setores de serviços, com perda de 68, e da construção civil, com perda de 13, registraram saldos negativos.

As mulheres foram mais contratadas do que os homens no mês de agosto, com 309 postos ocupados por mulheres e 203 por homens. O mês também beneficiou a mão de obra jovem: a faixa entre os 18 e os 24 anos respondeu por mais de metade dos postos de trabalho, com 283 dos novos cargos ocupados pelos jovens.

Por nível de educação, os cargos foram para Ensino Médio Completo (169), Ensino Médio Incompleto (114) e o ensino superior completo (82).

 

Estado

Santa Catarina alcançou mais um resultado positivo na geração de emprego formal em agosto. O mês encerrou com saldo de 20.305 novas vagas, o terceiro melhor deste ano, atrás apenas de janeiro (32.556) e Fevereiro (33.867). Em agosto, o Estado registrou o terceiro maior saldo do país para a Indústria de Transformação. A geração de empregos da indústria catarinense ficou atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais.

 

Otimismo

A visão do empresário catarinense em relação à perspectiva da economia permanece positiva. É o que indica a Sondagem Industrial, pesquisa de opinião empresarial mensal realizada pela Fiesc. Em setembro, os principais indicadores de expectativa ficaram acima da casa dos 50 pontos, sinal de otimismo do empresário para a atividade econômica. A intenção de Investimento do industrial catarinense marcou 70,5 pontos. Já a perspectiva de crescimento das exportações, 52,7 pontos, e a expectativa da demanda interna, 59,4 pontos.