A Investe SC, agência de atração de investimentos mantida por meio de parceria entre a Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) e o governo do Estado, deverá ser fortalecida, informou o secretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Lucas Esmeraldino.

Ele participou de encontro com a diretoria da FIESC, no dia 17, em Florianópolis. Segundo ele, o Programa SC+Energia também será ampliado.

“Podem contar com a nossa Secretaria. Queremos atrair investimentos e ser ousados para trazer mais empresas para nosso estado. Nosso espírito é sermos cada vez melhores e vamos ter uma conexão muito boa. Está clara a vontade de muitos empresários investirem no Brasil. Precisamos aproveitar isso”, reforçou Esmeraldino.

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, apresentou um perfil da economia catarinense ressaltando as características regionais da indústria.

“É um estado que tem uma atividade industrial diversificada. Nossa indústria emprega 750 mil trabalhadores. Isso significa 34% dos empregos formais do estado. Realmente, a indústria tem participação forte na geração de riquezas”, afirmou.

Ele também chamou a atenção para o trabalho realizado por SESI e SENAI, especialmente em saúde e segurança e educação.

Simples Nacional

As empresas que querem optar pela adesão ao Simples Nacional para 2019 devem correr, pois tem até o dia 31 de janeiro para realizar essa opção e, uma vez deferida, produzirá efeitos a partir do primeiro dia do ano calendário da opção.

Assim, antes de aderir ao Simples Nacional é necessário a eliminação de possíveis pendências que poderiam ser impeditivas para o ingresso ao regime tributário, como débitos com a Receita.

ANTT publica nova tabela...

A Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT) publicou na última sexta-feira (18) no Diário Oficial da União (DOU), nova tabela com os pisos mínimos de frete.  Na mesma semana, na quarta-feira (16), a Justiça Federal em Brasília havia aceitado pedido liminar feito pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

A liminar suspende a aplicação do tabelamento do frete rodoviário para as entidades filiadas à entidade. A decisão é provisória e foi assinada no dia 7 de janeiro pelo juiz Márcio de França Moreira, da 8ª Vara Federal do Distrito Federal.

A política do frete mínimo foi uma das reivindicações dos caminhoneiros que paralisaram as estradas de todo o país em maio do ano passado.

A lei especifica que os pisos mínimos de frete deverão refletir os custos operacionais totais do transporte, definidos e divulgados nos termos da ANTT, com priorização dos custos referentes ao óleo diesel e aos pedágios.

BNDES aumenta transparência

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deixou mais acessível a lista com os 50 maiores tomadores de recursos da instituição financeira nos últimos 15 anos.

A partir da última sexta-feira (18), durante toda a navegação no site da instituição financeira, um banner no canto superior esquerdo está disponível para conduzir os interessados a uma página que reúne essas informações.

Os infográficos permitem ainda filtrar a pesquisa por período de tempo, considerando os últimos cinco triênios. Também é possível listar todas as operações que foram realizadas com cada um dos clientes nos últimos 15 anos.

Mercado prevê inflação de 4,01%

A inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve ficar em 4,01% este ano. Essa é a previsão de instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) todas as semanas sobre os principais indicadores econômicos.

Seguro desemprego é ajustado em 3,43%

O empregado demitido sem justa causa terá o seguro-desemprego corrigido em 3,43%, correspondente à inflação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) no ano passado. A parcela máxima passará de R$ 1.677,74 para R$ 1.735,29.

A mínima, que acompanha o valor do salário mínimo, foi reajustada de R$ 954 para R$ 998. Os novos valores serão pagos para as parcelas emitidas a partir de 11 de janeiro e para os novos benefícios.

Correção

Na matéria do sábado, dia 19, o jornal informava que os registros de posse de arma vigentes estariam automaticamente renovados por 10 anos, até 2029. A informação está incorreta.

A vigência de 10 anos é contada a partir da data de emissão, assim sendo um registro emitido em 2018, por exemplo, passaria a valer até 2028, e não até 2023, como era.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?