Depois de encerrar o trimestre deficitária pela primeira vez em toda a série histórica, a balança comercial de Jaraguá do Sul reverteu a queda em abril, fechando o primeiro quadrimestre com saldo positivo de US$ 5,48 milhões. Foram US$ 168,43 milhões em exportações - uma alta de 2,9% na comparação com o ano passado - e US$ 162,95 milhões em importações, alta de 31,3% em comparação com o ano anterior.

Apesar da recuperação, o município caiu no ranking de participação das exportações do estado, passando de 4º para 5º lugar, ficando atrás de Itajaí, São Francisco do Sul, Joinville e Gaspar.

Pela primeira vez na série histórica da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o município havia fechado primeiro trimestre do ano com déficit na balança comercial, com as importações acumuladas de janeiro a março superando as exportações em US$ 9,13 milhões.

O resultado de abril, isoladamente de US$ 59,2 milhões - 35,14% de todas as exportações do ano - fez com que o município saísse do vermelho após o resultado pífio do primeiro trimestre. As exportações do mês foram 66,1% superiores às de abril de 2020 - quando o mês registrou queda de 37,9% nas exportações.

No entanto, as importações seguem crescendo em ritmo meteórico, ante a uma alta limitada das exportações. Sozinho, o mês de abril registrou US$ 44,5 milhões em importações, 69,5% a mais que no mesmo mês do ano passado.

A composição da balança segue padrões históricos, com exportações fortemente lideradas por bens de capital, em particular motores elétricos, respondendo por 88% das exportações, peso comparativamente menor que a média histórica, na faixa de 89 a 90%. Foram US$ 149 milhões em produtos do segmento.

A queda nas exportações do segmento são indicativa de padrões globais diante da pandemia de Covid-19, que se arrasta desde março passado: com economias fragilizadas e produções limitadas, investimentos em maquinário pesado tem registrado queda - e Jaraguá do Sul, fortemente ligada a este setor, sofre como consequência.

As importações seguem com sua composição mais diversificada, ainda lideradas por peças e componentes para maquinário e bens de capital, que respondem por 37% das importações, e pelo setor têxtil, com 19%.

Licenciamento

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou no começo da madrugada de quinta-feira (13) o texto-base do projeto de lei do licenciamento ambiental (PL 3729/04), que estabelece regras gerais desse procedimento a serem seguidas por todos os órgãos licenciadores, como prazos de vigência, tipos de licenças e empreendimentos dispensados de obtê-la.

Eletrobras

A Eletrobras registrou um lucro líquido de R$ 1,6 bilhão nos três primeiros meses do ano, resultado 31% superior ao do mesmo período do ano passado. O resultado foi divulgado na noite de ontem (13), no Rio de Janeiro, pela assessoria de imprensa da estatal.

Os lucros antes dos juros, impostos, depreciação e amortização, chamados de Ebitda, subiram 11% em relação ao primeiro trimestre de 2020, atingindo R$ 3,8 bilhões.

Empréstimos

A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira (11) o Projeto de Lei 3515/15, do Senado Federal, que cria regras para prevenir o superendividamento dos consumidores. A proposta também proíbe práticas consideradas enganosas e prevê audiências de negociação. Devido às mudanças, a matéria retornará ao Senado.

O texto aprovado é um substitutivo do relator, deputado Franco Cartafina (PP-MG), que permite ao consumidor desistir de contratar empréstimo consignado dentro de sete dias do contrato sem indicar o motivo. Para isso, o fornecedor da proposta deve dar acesso fácil a formulário específico, em meio físico ou eletrônico, no qual constarão os dados de identificação e a forma de devolução de quantias recebidas e eventuais juros.

Pena ampliada

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (12), o aumento de penas para quem furtar, roubar ou cometer peculato valendo-se da ocasião de incêndio, naufrágio, inundação, desastre, estado de calamidade pública, epidemia ou pandemia. O texto segue para a análise do Plenário.

O substitutivo aprovado é do deputado Lucas Redecker (PSDB-RS) ao Projeto de Lei PL 643/20, do deputado Junio Amaral (PSL-MG). A proposta original tratava apenas do crime de furto, e não especificava epidemia e pandemia entre as possibilidades. Redecker preferiu especificar no texto, segundo ele, pois é possível que o País esteja em pandemia, como atualmente, mas não tenha calamidade pública declarada.