Aliar fatores como informação técnica e a prática empresarial é um dos propósitos do programa de mentoria que a Associação Empresarial de Jaraguá do Sul (Acijs) está colocando à disposição de empresas da região.

O programa faz parte do rol de soluções que a entidade oferece em educação empresarial, agregando três ferramentas que podem ser disponibilizadas aos participantes: diagnóstico, curadoria e mentoria.

Segundo a entidade, a gestão eficiente de um negócio é um desafio permanente para empresas de qualquer porte. Para empresários de pequeno e médio porte, o desafio é ainda maior - especialmente com o atual quadro de pandemia.

Muitas vezes, empresários que recém iniciam um projeto em qualquer área, ou quem busca empreender, contam com recursos que nem sempre são tangíveis, porém, fundamentais ao êxito de uma iniciativa.

Dentre os eixos do programa, o Diagnóstico visa identificar os problemas e necessidades do empreendedor, indicando soluções para auxiliar na melhoria do negócio. A partir do Diagnóstico, traçado com base em entrevistas e análises feitas por especialistas, o participante tem a opção de contar com uma Curadoria ou de uma Mentoria ou, ainda, com as duas ferramentas.

Na Curadoria, o empreendedor vai dispor de suporte de profissionais da equipe interna da entidade, com recomendações de conteúdos oferecidos por instituições parceiras da Acijs. Como foco nas percepções apontadas com base no diagnóstico, o participante receberá as informações indicadas tanto para gestão financeira, vendas, marketing ou em que área necessitar.

Na Mentoria, o participante terá à disposição um time de alto nível formado por empresários, executivos e profissionais de reconhecido sucesso em suas áreas de atuação. O trabalho do mentor é realizado individualmente, por meio de encontros periódicos, permitindo o compartilhamento de vivências e desta maneira auxiliando no aprendizado dos seus mentorados.

As inscrições estão disponíveis e as atividades ocorrerão de junho a dezembro. Informações no site www.acijs.com.br/educacao/mentoria, e-mail educacao@acijs.com.br e telefone (47) 3275-7010.

 

Moeda digital

O Brasil poderá ter uma moeda digital emitida pelo Banco Central (BC), como uma extensão da moeda física. O BC anunciou, na segunda-feira (24), em Brasília, as diretrizes para a criação da moeda no País.

Em nota, a instituição disse que “tem promovido discussões internas e com seus pares internacionais visando ao eventual desenvolvimento” da moeda. Afirmou que a moeda deve “acompanhar o dinamismo da evolução tecnológica da economia brasileira”.

 

Suspenso

O Ministério da Economia publicou, no Diário Oficial da União de segunda-feira (24), uma instrução normativa que suspende até 30 de junho a exigência de recadastramento anual de aposentados, pensionistas e anistiados políticos civis. De acordo com a Instrução Normativa nº 53, está suspensa também a realização de visitas técnicas para comprovação de vida.

Reforma

A redução da carga tributária só virá com a aprovação da reforma administrativa, disse a advogada Vanessa Canado, ex-assessora especial para a reforma tributária no Ministério da Economia. Ela participou de forma virtual da reunião de diretoria da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), na última sexta-feira (21).

Ventos derrubam estátua

Foto: reprodução/Twitter

Os fortes ventos causados pelo ciclone que castiga a região Sul do País gerou uma baixa inusitada: a estátua da Havan na loja da rede em Capão da Canoa, no litoral gaúcho. A réplica da Estátua da Liberdade na loja da rede no município de 54 mil habitantes no Rio Grande do Sul tombou sobre um poste, na madrugada de segunda-feira (24). Ninguém se feriu.

​A rede de Luciano Hang ainda não divulgou detalhes sobre o ocorrido, mas uma equipe de engenharia e obras da rede foi enviada de Santa Catarina ao Rio Grande do Sul para avaliar os danos.

 

Retração

A pandemia de Covid-19 causou impacto no comércio do Brasil com outros países acima da média mundial. No ano passado, a corrente de comércio (soma de importações e exportações) brasileira recuou 8,2%, segundo levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), com base em números recentes da Organização Mundial do Comércio (OMC).

A variação supera o encolhimento de 7,6% na corrente de comércio mundial em 2020. Em relação aos demais membros do G20 (grupo das 20 maiores economias do planeta), o cenário também não é melhor para o Brasil. No ano passado, a corrente de comércio entre os membros do grupo diminuiu 8% em relação a 2019.