Foto pexels.com

Foto pexels.com

É fato que o Brasil historicamente sempre esteve entre os principais pagadores de juros do mundo. Em 2015, a taxa de juros no Brasil estava no patamar de 14,25% ao ano. Para estimular e acelerar o crescimento da economia, houve a redução gradativa do juros, que é hoje é 6,50% ao ano.

Mas como a taxa de juros impacta os meus investimentos?

Bom, quando falamos de aplicações financeiras, é impossível não trazer à tona qual é o cenário de juros, pois é ele quem determina qual o rendimento de boa parte dos investimentos considerados renda fixa.

Desta forma, se você tem o seu dinheiro aplicado no banco há uma taxa de 90% do CDI (Recapitulando: CDI > Certificado de Depósito Interbancário. É o indicador mais utilizado para ativos de renda fixa, seja como um índice de remuneração ou benchmark. O CDI acompanha a taxa SELIC), significa que você está ganhando 90% da SELIC, basicamente.

O rendimento justo nesta classe de investimento começa numa remuneração que entregue no mínimo 100% do CDI.

Com isso, você estará ganhando 100% da taxa básica de juros do país. Um exemplo fácil são os títulos públicos do governo, onde uma das modalidades é indexada a SELIC e remunera entre 99% e 100%.

Então, se o país paga 6,50% ao ano de juros, significa que você pode ganhar tranquilamente esse rendimento deixando seu dinheiro bem aplicado. E quando digo “bem aplicado”, é começando com 100% do CDI e não menos que isso.

E ainda se você estiver disposto a conhecer o mercado financeiro, a remuneração pode chegar a 123% do CDI nos títulos privados. Neste exemplo, você ganha 23% a mais do que o juros atual.

E tudo isso com segurança, pois a grande maioria dos investimentos em títulos privados possuem uma espécie de seguro chamada Fundo Garantidor de Créditos. E no caso dos títulos públicos ou o Tesouro Direto, o risco é quase zero, também chamado de risco soberano.

E no exterior?

Nos Estados Unidos a taxa de juros atual gira em torno de 2% ao ano. Os investidores que desejam obter um ganho superior a 2% ao ano são forçados a terem um perfil mais agressivo, com uma carteira de ações, por exemplo.

Pelo fato de o investimento ser em ações, nem sempre os ganhos resultam num rendimento superior ao juros devido às oscilações de mercado.

Logo, quando falamos de Brasil, você não precisa pensar apenas em renda variável. Não faz sentido se jogar de cabeça na bolsa de valores sendo que a rentabilidade pode ser boa em investimentos sem risco.

Comparado aos países desenvolvidos, a taxa de juros no Brasil ainda é alta. Claro que, se compararmos ao nosso histórico de taxa, em 2015 tínhamos uma SELIC a 14,25% ao ano.

Vamos fazer uma conta daquele investimento lá do banco:

R$ 10.000,00 aplicados a 90% do CDI – baseado na SELIC em 2015 14,25% ao ano.

Ao final de 12 meses você teria o capital total de R$ 11.271,70.

Comparando a mesma aplicação de renda fixa só que no cenário atual de juros:

90% do CDI – baseado na SELIC atual de 6,50% a.a.

Ao final de 12 meses, o capital total acumulado será de R$ 10.575,10.

 

Os números não mentem, em 2015 os investimentos atrelados ao juros rendiam mais. Porém, esta não é a maneira consciente de avaliar o resultado da evolução do seu dinheiro.

Ele realmente crescia mais, no entanto, era também mais desvalorizado perante a inflação alta, que nada mais é que o preço das coisas ou do consumo em geral.

Controlando o excessivo aumento dos preços, a inflação é controlada e é um dos fatos que remete o país a ter uma taxa de juros menor.

Busque conhecimento e dê a importância devida ao seu dinheiro. Com informações certas, você consegue fazer boas escolhas.