No pacote das surpresas eleitorais deste ano está o jaraguaense Fabio Schiochet. Eleito deputado federal com quase 90 mil sufrágios, o empresário fazia parte da colinha do 17, que foi seguida por muitos eleitores de cima abaixo.

A três dias do segundo turno e com os candidatos do PSL liderando as pesquisas, Comandante Moisés para o governo do Estado, e Jair Bolsonaro para presidência, Schiochet garantiu à coluna que não existe possibilidade de aceitar assumir um cargo em caso de vitória dos seus correligionários, nem uma secretária estadual e tampouco um ministério.

“Fui eleito para ser deputado e vou ser deputado, exercerei meu mandato. Sempre fui contra a esse comportamento de eleitos para cargos no Legislativo assumirem cargos no Executivo, comigo não tem essa. Não passa na minha cabeça”, disse taxativo.

Schiochet coordena a campanha de Moisés de Florianópolis a Porto União e avalia que esta reta final tem sido de motivação.

Apesar de ser considerado favorito, o candidato do PSL ao governo de Santa Catarina tem enfrentado uma série de questionamento sobre sua falta de experiência política e administrativa.

Uma das suas últimas declarações veio justamente para evitar que as críticas de seu adversário, Gelson Merisio (PSD), lhe tirem pontos.

“Percorri o Estado, olhei nos olhos de milhares de catarinenses e ouvi suas necessidades. Me sinto preparado. Irei dar o melhor de mim, como governador de Santa Catarina, em um futuro próximo. Estamos coligados com o povo. É por ele que lutamos e buscamos fazer uma renovação completa, para que assim possamos devolver ao país e ao Estado, a celeridade no desenvolvimento que lhes compete”, destacou durante debate em uma rádio de Criciúma.

280 na rota

Coordenador da campanha do Comandante Moisés, Fabio Schiochet, diz que ausência do trecho urbano da BR-280 no plano de governo do candidato do PSL não inviabiliza e nem tira a prioridade da obra.

“Para mim é prioridade e para o Comandante também. Já conversamos sobre isso. Não deixa de ser um desejo pessoal meu”.

Sessão especial

A sessão da Câmara de Vereadores acontece especialmente nesta quinta-feira no auditório da Católica. A homenagem é em função da comemoração pelos 45 anos de fundação da Ferj.

Tudo começou quando em 1973, o Padre Elemar Scheid e lideranças locais criaram a Faculdade de Estudos Sociais, que funcionava no Sesi.

Cedup sem destino

Os vereadores de Guaramirim aprovaram a revogação do projeto que autorizava o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) assumir o Cedup, e autorizaram novamente a doação do terreno para o governo do Estado.

A justificativa é de que o Estado precisa desta autorização para finalizar a obra e prestar contas, já que o IFSC manifestou que não possui mais interesse em utilizar o espaço.

Promessa de ser um local de referência na educação profissionalizante e onde já foram investidos mais de R$ 10 milhões, o Cedup deveria ter sido inaugurado há seis anos.

Começa a esquentar

A oposição ao prefeito de Guaramirim Luís Antônio Chiodini (PP) na Câmara começa a mostrar as garras. Vereadores do MDB subiram o tom.

Entretanto, Chiodini tem mantido o discurso de que todos devem trabalhar pelo bem do município. Assim, evita entrar em divididas.

MDB 2020

Com a maior bancada na Câmara, o MDB de Guaramirim começa a conversar nos bastidores sobre o pleito eleitoral de 2020. As duas últimas derrotas na eleição municipal deixaram gosto amargo.

Aos aliados, Bylaardt tem dito que não pretende concorrer novamente. Entre os cotados para disputa está o vereador Charles Longhi.

Reforma necessária

A força-tarefa que inspecionou o Museu Histórico Emílio da Silva e o Museu da Paz identificou a necessidade de ajustes.

De acordo com o promotor Alexandre Schmitt dos Santos, ficou evidente a necessidade de reforma do Museu Histórico Emílio da Silva. Ele lembra que a obra já foi licitada, mas não houve interessados. A Prefeitura fará uma nova licitação.

Os demais ajustes apontados são questões relativas a exigências da legislação, como documentação desatualizada e ausência de um museólogo.  A operação do Ministério Público envolve todos os estados.

Tá chegando a hora

A campanha vai chegando ao fim. Hoje, é o último dia para a realização de atos públicos, amanhã, encerra a propaganda eleitoral.

A previsão é que até as 20h de domingo os resultados sejam declarados.

Semana de fila nos postos

Em alguns postos de saúde do município, as filas para vacinação demoraram mais de uma hora nesta semana. Cerca de 15 mil doses foram aplicadas, segundo a Secretaria de Saúde.

O aumento se deve, principalmente, da exigência da declaração de vacinação em dia para fazer a matrícula ou rematrícula nas escolas da rede municipal.

Hang processa PT

No centro do debate eleitoral, o empresário Luciano Hang anunciou que está movendo nova ação requerendo R$ 1 milhão de indenização de Fernando Haddad e do partido.

Ele tomou a decisão  após ser citado em reportagem do jornal Folha de São Paulo como um dos supostos patrocinadores de contratos que visavam o envio de mensagens no WhatsApp para denegrir a imagem do candidato do PT à Presidência da República.

Em nota, a assessoria de imprensa do empresário diz que o Partido dos Trabalhadores está acostumado a promover medidas caluniosas e difamatórias.

Hang também já abriu processo contra a Folha de São Paulo e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, que somados requerem mais de R$ 3 milhões de indenização.

A denúncia sobre caixa 2 na campanha eleitoral está sendo investigada.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?