O setor jurídico da Prefeitura de Jaraguá do Sul trabalha na finalização do projeto de lei que autoriza a administração a abrir concorrência pública para vender terrenos sem utilidade ao município.  O projeto já vem sendo desenvolvido pela Procuradoria há pelo menos um ano. O texto deve ser enviado para análise da Câmara ainda nesta semana. Devem ser colocadas à disposição para venda 25 áreas nesse primeiro lote. A estimativa da Prefeitura é arrecadar aproximadamente R$ 2 milhões. Esses terrenos são pequenas áreas, de no máximo 400 metros quadrados, que geram custos ao município, mas não têm nenhuma projeção de finalidade pública nem em curto e nem em longo prazo. O recurso arrecadado deverá ser destinado para desapropriações, como as necessárias para a construção da 2ª parte da Via Verde e para continuidade da 13 de Maio, por exemplo, e também para manutenção, como sinalizou ser possível ao ser consultado, o Tribunal de Contas do Estado. Segundo levantamento da própria Prefeitura, o município tem atualmente cerca de mil imóveis, muitos deles sem calçada. Com a crise batendo na porta, é preciso fazer caixa para atender estas demandas da população.

* * *

Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Ângela palestra em Jaraguá Mulheres filiadas e simpatizantes ao PP (Partido Progressista) receberam ontem a ex-prefeita de Florianópolis, Ângela Amin. O prefeito Dieter Janssen, a presidente do PP Mulher e pré-candidata a vereadora, Evania Liebel, e o presidente do partido Ademir Izidoro integraram a programação que faz parte dos eventos encampados para aumentar a representatividade feminina no cenário político municipal. Ângela credita o processo de engajamento deveria ser natural e considera que a mobilização tem aumentado, dada a repercussão causada pela falta de mulheres no ministério empossado pelo presidente da República interino, Michel Temer (PMDB). Com estrada na política, Ângela relembra que sua inserção foi cercada de desafios. “Começou pelo próprio Esperidião (Amin), foi um processo de amadurecimento para ele aceitar e depois a luta foi dentro do partido”, conta.

* * *

Convite partiu do PSD A reunião entre os caciques do PSDB e PSD na noite de domingo foi agendada por Maristela Menel, integrante da comissão eleitoral do PSD, e não por Irineu Pasold, que abriu a residência para o encontro.  A autoria do convite gerou mal estar entre os tucanos. Mas o fato é que os dois partidos deram início a uma negociação que muitos consideravam improvável. Na avaliação tanto de Irineu Pasold, quanto do presidente do PSD, Leonel Floriani, o encontro foi positivo e serviu para as siglas darem início a um debate para formatação de um projeto conjunto para o município. “Não se trata de querer ser isso ou aquilo. Se trata de querer fazer pela cidade. Foi muito positivo”, diz o ex-prefeito.

* * *

Temporada de conversas Embora a reunião de domingo tenha dado início a uma possível aproximação entre PSD e PSDB, as duas siglas ainda vão sentar com lideranças dos outros partidos para negociar. Participaram do encontro Marcia Alberton, Amarildo Sarti, Irineu Pasold, Leonel Floriani e Jair Pedri. O PSD, inclusive, também já sentou com o PSB do ex-prefeito Ivo Konel. “Com uma campanha curta, de apenas 45 dias, nós queremos definir a coligação o quanto antes. Isso é importante estrategicamente”, avalia Leonel Floriani.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO