Se tudo acontecer como ensaiado, o PMDB deve sair da reunião marcada para noite da próxima segunda-feira com uma carta explicando os motivos do desembarque do governo de Dieter Janssen (PP). Segundo o empresário Antídio Lunelli, pré-candidato da sigla à Prefeitura, a saída será amigável. “Todo mundo respeita o Dieter, mas o partido tem um projeto próprio”, resume. Para Antídio, depois disso, começam as negociações de alianças. O PMDB espera atrair o PSD de Jair Pedri ou o PSDB de Vicente Caropreso. As duas siglas também já conversam com integrantes do PP. “Devemos ter o Dieter candidato, eu e alguém da Konelândia (em referência à família Konell)”, prevê. O governo aguarda o anúncio oficial do maior aliado nas eleições de 2012 para traçar as estratégias e até para fazer as adequações administrativas necessárias, mas o desembarque já era uma possibilidade trabalhada internamente desde janeiro e não chega a causar surpresa. O momento escolhido para o anúncio, durante paralisação dos servidores, no entanto, foi considerado deselegante. Para alguns integrantes da base, o discurso amigável do PMDB na verdade é uma tentativa de evitar que o partido seja visto como oportunista como aconteceu no plano federal, com a diferença de que em Jaraguá do Sul não há escândalo de corrupção e sim uma disputa por poder. Algumas das principais lideranças do PMDB, como Hideraldo Colle e Pedro Garcia, inclusive já deram declarações públicas de que o partido terá dificuldade de colar um discurso de oposição, visto que os integrantes da sigla ocuparam durante o governo Dieter as mais importantes secretarias, como Administração, Fazenda, Saúde, Assistência Social, Habitação e Obras, ou seja, ficaram com boa parte da máquina na mão.

* * *

Colle assume “Nós ficamos mais de três anos trabalhando bastante na secretaria, uma experiência incrível, a parceria e o elo com o prefeito Dieter trouxe muitos benefícios para nossa cidade. Agradeço a oportunidade que o partido me deu e a confiança do prefeito durante este período.” Do secretário de Obras, Hideraldo Colle (PMDB), que deixou ontem a pasta e na próxima semana assume o mandato na Câmara. Quem sai é o suplente Pedro Garcia.

* * *

2016_03_31 Eugênio José Juraszek vereador de Jaragua do sul - em-2 De licença sem remuneração O vereador Eugênio Juraszek (PP) anunciou na tribuna ontem que vai tirar uma licença de 30 dias para fazer uma operação de hérnia de disco. Apesar de o motivo ser a saúde, o pepista optou por não receber o salário no período em que será substituído pelo correligionário Luís Fernando Almeida.

* * *

luis fernando“Vou fazer o embate político necessário” Luís Fernando Almeida (PP) deixou o cargo de diretor do Procon ontem para se candidatar a uma vaga na Câmara de Vereadores. Para ele, que hoje é advogado e já presidiu o Diretório dos Estudantes da Católica, a prioridade do PP deve ser a reeleição de Dieter Janssen com ou sem o apoio do PMDB. O que ficou de mais importante desse período que dirigiu o Procon? De contribuição à sociedade, deixo o Fundo do Consumidor com mais de R$ 500 mil em caixa. Quando assumi o Procon tinha apenas R$ 18 mil na conta, porque a fiscalização não acontecia de maneira efetiva. Eram 1.018 processos parados, alguns desde o tempo de Geraldo Werninghaus. Atualmente, não temos nada engavetado, são 218 processos em andamento. Aplicamos mais de R$ 9 milhões em multas defendendo o direito do consumidor. Esse dinheiro daqui um ou dois anos será revertido ao município. Os projetos de lei assegurando direitos aos consumidores foram destaque deste ano? Sim, o primeiro foi o que limita o tempo de espera nos Correios. Algumas pessoas passavam duas horas e meia na fila, o que é um absurdo. A lei agora estipula em no máximo 40 minutos. Os Correios têm um prazo para se adaptar e depois disso serão fiscalizados. Projeto semelhante está tramitando na Câmara em relação à Celesc e outro obriga que as revendedoras de automóveis entreguem atestado de procedência e quilometragens dos veículos para impedir as adulterações. O senhor deve assumir uma vaga na Câmara com a licença de Eugênio Juraszek, qual deve ser o foco de trabalho? Estou desenvolvendo um projeto em defesa dos animais e quero questionar algumas questões que ferem o Regimento Interno e a Lei Orgânica do Município. Também vou fazer o embate político necessário. O que espera das eleições de outubro? Vou buscar voto para me eleger vereador. E pensar na reeleição do Dieter. Jaraguá do Sul tem um prefeito sério, trabalhador, comprometido, é uma exceção na política. Ele moralizou a administração que antes não saía das páginas policiais, acabou com favores, adotou critérios técnicos. Tem muita obra para mostrar. É um candidato com passado que pode ser vasculhado sem problema, ao contrário da maioria. Além disso, tem capacidade de gestão e de diálogo, o que também é muito importante.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO