Grande maioria dos escolhidos por Michel Temer é do campo político e não técnico como o setor produtivo almejava . Entre os nomes, José Serra, Henrique Meirelles e José Sarney Filho

  – Gilberto Kassab, ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; – Raul Jungmann, ministro da Defesa; – Romero Jucá, Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; – Geddel Vieira Lima, ministro-chefe da Secretaria de Governo; – Sérgio Etchegoyen, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional; – Bruno Araújo, ministro das Cidades; – Blairo Maggi, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; – Henrique Meirelles, ministro da Fazenda; – Mendonça Filho, ministro da Educação e Cultura; – Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa Civil; – Osmar Terra, ministro do Desenvolvimento Social e Agrário; – Leonardo Picciani, ministro do Esporte; – Ricardo Barros, ministro da Saúde; – José Sarney Filho, ministro do Meio Ambiente; – Henrique Alves, ministro do Turismo; – José Serra, ministro das Relações Exteriores; – Ronaldo Nogueira de Oliveira, ministro do Trabalho; – Alexandre de Moraes, ministro da Justiça e Cidadania; – Mauricio Quintella, ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil; – Fabiano Augusto Martins Silveira, ministro da Fiscalização, Transparência e Controle (ex-CGU); – Fábio Osório Medina, AGU.