Coordenador regional do PP, Ademir Izidoro considera o resultado da eleição melhor do que o esperado para o partido. Segundo ele, os números depositados nas urnas desenham um cenário promissor para 2018 e favorecem a possível candidatura do prefeito Dieter Janssen à Assembleia Legislativa. Na entrevista a seguir, ele, que também foi coordenador da campanha de Antídio Lunelli (PMDB), ainda avalia o resultado da disputa proporcional, fala sobre a decisão do PSDB de se coligar com o PSD e diz que as negociações por cargos não começaram e dependem da capacidade dos pretendentes. Como avalia o desempenho do PP na região? Melhor do que esperado. Fizemos o vice em Jaraguá do Sul, vice em Massaranduba, prefeito em Guaramirim e Corupá. O que deu para sentir é que além de termos ótimas lideranças, o Amin tem muita presença aqui, é um nome muito respeitado, que ajudou no resultado. Fazer três vereadores foi surpresa? Para mim, não. Há uma semana eu mandei uma mensagem para o nosso grupo dizendo que faltava pouco para gente garantir a terceira vaga. Temos ótimos nomes. Surpresa foi a votação expressiva do Anderson Kassner (3.550 votos), sabia do potencial dele, mas foi surpreendente. Com ele, Celestino e Eugênio na Câmara, a população estará muito bem representada. E todos os nossos outros candidatos ajudaram para o resultado. Fizeram um ótimo trabalho. Com esse resultado, a estrada fica pavimentada para Dieter Janssen se candidatar em 2018? Não há dúvida disso. O Dieter será nosso candidato a deputado estadual em 2018 e o Carlos Chiodini tem tudo para ser federal. Com esses dois trabalhando pelo município e pela região, vamos conseguir mais recurso, mais atenção. Até porque deputado federal tem emendas que fazem diferença. Temos sofrido sem um representante em Brasília. Temos deputados que foram eleitos com votos aqui, mas não são daqui. Eles são parceiros, mas é natural que a prioridade deles não seja Jaraguá. Sobre o PP, com o resultado que tivemos na região e pela pessoa, prefeito e político que o Dieter é, não tenho dúvidas de que seremos bem sucedidos. Nesta eleição mesmo, a postura de humildade, republicana e democrática do Dieter merece ser reconhecida. Se tivéssemos mais políticos como o Dieter, certamente o país estaria bem melhor. Mais uma vez a dobradinha com PMDB deu certo. Em 2012 esse casamento chegou a ser questionado. Formamos um grupo muito forte, coeso. O PMDB é um partido organizado, assim como o PP. Apresentamos ao eleitor uma chapa excelente, Antídio e Udo, dois empresários. Antídio é um administrador de muito sucesso, um cara do bem, que já tinha envolvimento na política. O Udo é um empresário, já foi deputado, tem um histórico no voluntariado. Como sentiu a ausência do PSDB? O PSDB participou de todo pré-projeto, das reuniões, mas não quis ceder em nada, era do jeito deles ou não era nada. Mas pode escrever, no fim, foi bom, porque se eles estivessem juntos iam dizer que a vitória tinha sido deles, que a rejeição do prefeito é enorme e a gente sabe que não é. O Dieter tem o respeito da comunidade. Alguns tucanos também eram capazes de dizer que levaram o Antídio nas costas. O PP deve ocupar um cargo específico no governo? Não. Isso depende do prefeito, do PMDB, do vice. E como o Antídio tem tido, os cargos serão ocupados por pessoas qualificadas. linha azul Crise no PSDB Marcia Alberton nega, mas fontes do ninho dizem que é grande a chance dela abrir mão da presidência do PSDB. E conversas aconteceram sobre a possibilidade dela deixar a sigla como fizeram Luis Pauli e Wilson Bruch. O abandono a que foi submetida por algumas correntes durante as eleições é o principal motivo. A briga de egos no ninho vem de longa data e explica e muito o desempenho da sigla nas duas últimas eleições municipais. A baixa pode afetar o deputado Vicente Caropreso, já que Marcia, Bruch e Pauli faziam parte da executiva e foram os fieis escudeiros dele durante a campanha de 2014. linha azul Estava certa Ainda sobre a pesquisa publicada pelo O Correio do Povo do Instituto Methodus. Se somente os votos válidos forem considerados na conta, o resultado impressiona de certeiro. Antídio Lunelli (PMDB) fez 44,73% nas urnas e no levantamento do Methodus ficava com 46,2%. Ivo Konell fez 29,4% e no levantamento aparecia com 28,6, Jair Pedri (PSD) aparecia com 24,1% e fez 23,98%, por último, Luiz Ortiz ficou com 1,98% e na pesquisa tinha 1,02%. Ou seja, tem gente que deve um pedido de desculpas.