Com a estimativa de que até 300 dos 832 imóveis financiados por meio de projetos habitacionais do município em parceria com o governo federal estejam irregulares, o diretor de Habitação da Prefeitura de Jaraguá do Sul, Luís Fernando Almeida (PP), anuncia a realização de um verdadeiro pente fino nessas unidades. Um relatório preliminar da Caixa Econômica Federal já aponta para as principais irregularidades: beneficiados que estariam alugando o imóvel, outros que estariam utilizando para fins comerciais. Ainda há quem tenha vendido a residência e até mesmo abandonado o local. O objetivo da ação é verificar todas as irregularidades e tomar posse dos imóveis que estiverem nessas condições. O levantamento ainda não tem data para ser finalizado. Segundo Almeida, há hoje mais de mil pessoas cadastradas no município à espera de uma moradia popular. Em construção, há um condomínio no Santa Luzia, com cerca de 100 apartamentos. Inadimplência alta O dado não é oficial, mas levantamento preliminar da Habitação aponta para uma inadimplência de cerca de 30% nos imóveis que fazem parte de programas habitacionais. Com isso, mais de R$ 4 milhões deixaram de ser investidos no Fundo de Habitação. Dinheiro que poderia bancar novas construções. Pais formam comissão Insatisfeitos com o calendário de recuperação de aulas, um grupo de pais se organiza para tentar evitar que os estudantes tenham aulas aos sábados. Uma reunião no Ministério Público já está agendada para terça-feira para tentar solucionar o impasse. Nas redes sociais, a reclamação é geral. Multados O ex-prefeito Moacir Bertoldi e o ex-secretário de Esportes do município, Jean Leutprecht, foram multados pelo Tribunal de Contas do Estado em R$ 1.136 em face da cessão de espaço público destinado a bares e lanchonetes no interior da Arena Jaraguá para fins privados, de maio de 2007 a março de 2008, sem o devido processo licitatório. O cabo de guerra continua Em nota enviada ontem à imprensa, o Sindicato dos Servidores Públicos de Jaraguá do Sul revelou indignação com a proposta do governo de não conceder reajuste nenhum à categoria. Os servidores também reclamaram que mais uma vez o prefeito Antídio Lunelli não participou da reunião, que foi comandada pela chefe de gabinete Emanuela Wolff e pelo secretário de Administração, Argos Burgardt. A categoria reivindica 8,5% de aumento, sendo 4,57% referente à inflação dos últimos 12 meses, 2,72% do percentual que não foi repassado pela administração de Dieter Janssen e 1% de ganho real. Assembleia dos servidores está marcada para próxima quinta-feira, dia 27. O Sinsep não descarta a possibilidade da retomada da greve.