O fim do carnaval foi de muita articulação nos bastidores. O presidente da Câmara Pedro Garcia (PMDB) passou a terça-feira trabalhando para tentar garantir a votação dos projetos de cortes – do Fundo de Cultura e dos benefícios dos servidores – prevista excepcionalmente para esta Quarta-feira de Cinzas. A tesourada na Cultura deve der definida hoje, mas os projetos de lei que tratam do funcionalismo devem ter o desfecho adiado, para amanhã ou mesmo para próxima semana. Como lembra o presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schörner, parlamentares contrários às medidas de austeridade devem pedir vistas. Nesse intervalo, os servidores tentam se mobilizar e ganhar tempo. O WhatsApp não parou.  A pressão é grande. Garcia admite que a Câmara tem feito o papel de juiz de paz entre o Executivo e o Sindicato porque as negociações não aconteceram como deveriam. “De um lado essa crise obriga o governo a agir. De outro, os servidores não querem perder direitos conquistados. É um clima ruim como sempre acontece nessas situações. Mas se nada for feito, a Prefeitura corre risco de atrasar salários”, argumenta o peemedebista. Nas contas do governo e do próprio presidente da Câmara, os cortes já têm os seis votos necessários para serem aprovados pelo Legislativo. Contra alguns dos itens propostos no pacote de reequilíbrio financeiro devem se posicionar Arlindo Rincos (PSD), Ronaldo Magal (PSD), Ademar Winter (PSDB), Dico Moser (PSDB) e Celestino Klinkoski (PP). A quarta-feira deve ser de Câmara cheia e temperatura alta. linha azul Servidores fazem assembleia Depois de acompanhar a sessão da Câmara de Vereadores hoje à tarde, no fim do dia, o funcionalismo público se reúne em assembleia geral. Segundo Luiz Cezar Schörner, o sentimento da categoria é de revolta, mas ainda é impossível antecipar o que será decidido pela maioria. linha azul Acirramento é ruim Prevendo uma vitória na Câmara onde tem maioria, o governo já tenta se antecipar para saber qual será a reação dos servidores. O Sinsep fala em greve geral, o que nunca aconteceu em Jaraguá do Sul. No ano passado, a categoria ficou um dia sem trabalhar até conseguir melhor negociação de reajuste salarial. O acirramento não é bom para ninguém. A população não pode ser prejudicada. Só na rede municipal de ensino, cerca de 19 mil crianças são atendidas. linha azul 2018 é agora  A cada dia que passa uma nova jogada no tabuleiro eleitoral revela as bases que estão sendo formadas para 2018 em Santa Catarina. Pelos últimos acontecimentos, estão cada vez mais perto de formar uma nova tríplice o PSD, de Raimundo Colombo e Gelson Merísio, o PSB de Bornhausen, e o PP, dos Amin. Na outra ponta, o PSDB ainda está balançado entre o PSD e o PMDB, mas deve voar para o ninho que lhe der mais espaço. linha azul