Ocupando a Prefeitura e tendo três vereadores na Câmara, o MDB de Jaraguá do Sul não conseguiu garantir no município a vitória ao candidato a governador pelo partido, o deputado federal Mauro Mariani.

Não só isso, como Mariani ficou apenas com a terceira colocação na cidade, perdeu para o Comandante Moises, que fez 31.299 votos, empurrado pelo tsunami Bolsonaro, e perdeu também para Gelson Merisio (PSD), que marcou 24.180 sufrágios, quase cinco mil votos a mais que Mariani, que obteve 19.235 votos.

No domingo, o sentimento foi de frustração entre os emedebistas. Mariani contou com apoio do prefeito Antídio Lunelli, do deputado estadual e eleito federal Carlos Chiodini e de quase todo staff do governo municipal.

O resultado tão adverso, ainda mais considerando que a previsão era de larga vitória aqui, exige reflexão.

A administração municipal completa dois anos. Se o primeiro ano foi marcado por cortes, greve, reestruturação, o segundo está sendo considerado de obras.

Talvez a população não faça a mesma avaliação. Talvez o sentimento de revolta generalizada contra a política esteja respingando em todos.

O fato é que o alerta acendeu, não dá para colocar tudo na conta do 17. O partido deve se reunir na próxima semana, depois de esfriar a cabeça, para fazer uma leitura melhor do cenário.

As maiores bancadas

Entre os 40 deputados estaduais eleitos no domingo, apenas 18 já estão na Casa e terão mais quatro anos de mandato; outros 11 deputados estaduais que tentaram a reeleição não conseguiram. A renovação será de 22 cadeiras.

O MDB continua com a maior bancada, de nove deputados. O  PSL de Jair Bolsonaro, que não conta com nenhum parlamentar na Alesc hoje, terá seis representantes em janeiro.

Entre eles, o vereador de Blumenau Ricardo Alba (PSL), eleito com a maior votação do Estado, 62.762 votos.

Em terceiro lugar, ficou o PSD com cinco cadeiras. Completam a lista das maiores bancadas o PT, com 4, e depois, PR, PP e PSB, com 3 cada.

Horário eleitoral

O horário eleitoral gratuito recomeçará nesta sexta-feira (12), em rádio e televisão, com término em 26 de outubro. Além disso, cada candidato ao segundo turno terá, diariamente, de 12 minutos e 30 segundos de inserções ao longo da programação.

No primeiro turno, o horário eleitoral não teve muita relevância. A dúvida é se a partir de agora, quando o pleito ganha viés de plebiscito, o eleitor passará a dar mais atenção.

Nas maiores cidades

Mauro Mariani não venceu em nenhuma das 10 cidades mais populosas de Santa Catarina. Ficou em terceiro lugar em nove delas, incluindo Jaraguá do Sul, e amargou um quarto lugar em Chapecó - atrás de Gelson Merisio (PSD), Comandante Moisés (PSL) e até de Décio Lima (PT).

O voto proporcional

O advogado Ivan Naatz, do Partido Verde, foi o 40º eleito para a Assembleia Legislativa. Garantiu vaga com 14.685. Outros 36 candidatos obtiveram votações superiores que a dele. Entre eles, o ex-prefeito Dieter Janssen (PP), que fez 26.244 sufrágios.

Bolsonaro neutro em SC

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) anunciou no programa Pânico, da rádio Jovem Pan, que não vai assumir "nenhum" candidato a governador Santa Catarina.

“Temos um candidato, um comandante (Moisés) que foi para o segundo turno, mas, respeitosamente, Santa Catarina foi o Estado com a minha maior votação. Se eu assumir um lado, vai cair minha votação. A votação mais importante para nós é para presidente da República", disse.

A declaração do presidenciável deu ânimo para Gelson Merisio (PSD), que anunciou voto em Bolsonaro ainda no primeiro turno, e representa uma ducha gelada na campanha do Comandante Moises.

Que crescimento

O crescimento do PSL pegou políticos experientes de calça curta. E não é para mesmo. A rapidez impressiona. Em 2014, a sigla lançou apenas dois candidatos em Santa Catarina. Ambos para deputado estadual. Um deles recebeu 317 votos e o outro 186.

Em 2016, ano de eleição municipal, foram 23 candidatos no Estado e apenas um eleito. Agora, a sigla saiu da eleição com quatro deputados federais e seis estaduais eleitos. E ainda tem o segundo turno em SC e no país.

A votação para o Senado

Em Jaraguá do Sul Lucas Esmeraldino, do time 17, foi o mais votado para o Senado, fez 34.953 sufrágios. Depois dele, a melhor colocação foi de Esperidião Amin (PP), com 27.792 votos. Paulo Bauer (PSDB) foi o terceiro, com 25.799. Jorginho Mello alcançou 25.005 sufrágios.

Assembleia mais jovem

A próxima legislatura em Santa Catarina ficou alguns meses mais jovem que aquela que assumiu a Assembleia em 2015. Na ocasião, a média de idade era de 51 anos. Em 2019, no momento da posse, será de 50,5 anos.

Em 1º de fevereiro do ano que vem, quando se iniciar a nova legislatura, a deputada Ana Caroline Campagnolo (PSL) será a mais jovem, com 28 anos. Já o mais idoso será Moacir Sopelsa (MDB), com 72 anos.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?