O vice-prefeito e secretário de Desenvolvimento Econômico, Udo Wagner (PP), acredita que a administração municipal de Jaraguá do Sul irá conseguir tirar grandes obras do papel a partir do início de 2019. É quando o pepista projeta que o município terá a liberação de financiamento internacional junto ao Banco de Desenvolvimento da América Latina. A reivindicação, de 150 milhões de dólares, já foi apresentada na instituição financeira, que respondeu com sinal verde, durante a última viagem de Udo Wagner a Brasília, há duas semanas. A intenção da administração de Antídio Lunelli (PMDB) é utilizar a verba na revitalização do Centro, do Centro Histórico, recuperação de avenidas, novos asfaltamentos e construção de 17 quilômetros de ciclovia. A necessidade de novas pontes, uma na Barra do Rio Cerro e outra nas proximidades do Samae, no Água Verde, também é avaliada. Os pontos foram considerados prioritários por técnicos da Prefeitura. “Estou confiante de que vamos levantar esses recursos. Ou você tem projeto e corre atrás ou você não consegue nenhum tostão”, diz o vice. Segundo ele, a instituição internacional oferece três anos de carência, 12 anos para quitar a dívida e juros que variam de 2% a 3% ao ano. Com os primeiros contatos já feitos e tendo recebido a sinalização positiva, a administração busca agora finalizar todos os processos, que envolvem um questionário de 45 páginas, para dar a entrada na terceira etapa da negociação. A capacidade de endividamento da Prefeitura também é um critério considerado. Depois de todo trâmite, ainda é preciso da aprovação do Senado. Para adiantar as negociações, Udo conta que já esteve no Ministério do Planejamento, órgão que dá o aval pela União. Outras frentes Com um olho no peixe e outro no gato, o governo municipal também negocia financiamento com o Ministério das Cidades. Na semana passada, o prefeito Lunelli chegou a conversar com ministro Bruno Araújo. A intenção, segundo Udo Wagner – que ficou responsável pela captação de verbas da administração –, é angariar de R$ 5 milhões a R$ 30 milhões pelo novo programa lançado pelo governo federal, o Avança Cidades. São quatro anos de carência e vinte anos o prazo para pagamento. Na avaliação do vice-prefeito e secretário, com orçamento reduzido, os municípios que não buscarem recursos não vão conseguir tirar grandes obras do papel. Por isso, a importância de ter bons projetos e saber articular. Convênio firmado A Câmara de Vereadores de Guaramirim aprovou projeto que permite ao Executivo firmar convênio com os bombeiros voluntários. O texto prevê repasse de R$ 35 mil para auxiliar nas despesas da corporação. No trânsito Leitor da coluna sugere que a Polícia Militar disponibilize em tempo real as imagens do trânsito coletadas pelas câmeras de segurança, que em breve vão possibilitar a geração de multas aos motoristas infratores. A ideia é que a tecnologia sirva também para evitar congestionamentos, já que os motoristas poderiam optar por qual caminho passar. Mais recursos Com a missão de garantir recursos para o município, o prefeito Antídio Lunelli (PMDB) foi para a Capital nesta quinta-feira (29). O deputado estadual licenciado e secretário de Estado, Carlos Chiodini, o levou para conhecer uma nova linha de financiamento do BRDE, com juros menores. Os recursos são para projetos de mobilidade urbana, saneamento e concessões. Na foto, além de Chiodini e Lunelli, os diretores do banco Renato Vianna e Neuto de Conto. A agenda ainda incluiu conversas na Celesc e Casa Civil. Prestação de contas Por falar em Chiodini, está no forno a próxima edição de uma revista de prestação de contas com todas as conquistas que ele trouxe para Jaraguá do Sul. Dizem que tem quase 50 km de asfalto conquistados para gestão do ex-prefeito Dieter Janssen e já tem mais pavimentação sendo garantida para a gestão de Antídio Lunelli. Rodízio no PMDB Dois vereadores do PMDB de Guaramirim pediram licença nesta quinta-feira (29) alegando motivos pessoais. Hélio Luiz Heineck e Lizeu Wisotscki vão ficar afastados, sem remuneração, por 32 dias. No lugar deles, por ordem de votação, devem entrar Sandra Jahn e Irineu Decorador. Há dois meses, lideranças da sigla chegaram a se desentender quando um áudio de Rudolfo Jahn Neto, marido de Sandra, vazou. Na mensagem de Whatsapp, Neto criticava o comportamento da bancada do PMDB na Câmara e acusava alguns parlamentares de receber benefícios em troca de apoio ao prefeito Luís Antônio Chiodini (PP). Por pouco, a briga não virou judicial. Novo contrato com Ambiental Foi publicado no Diário Oficial do Município o extrato do novo contrato entre a Prefeitura de Jaraguá do Sul e a empresa Ambiental. Pelo serviço de coleta de resíduos, transbordo até o aterro sanitário de Mafra, e varrição das ruas, o município pagará um valor mensal estimado em R$ 1,2 milhão, algo em torno de R$ 37 milhões por um contrato de 30 meses. Enquanto isso, o governo estuda a possibilidade de passar a responsabilidade da gestão do lixo para o Samae. Ademir Izidoro ressalta que a legislação já permite que as autarquias realizem os serviços de saneamento, água, esgoto, resíduos sólidos e até mesmo de drenagem pluvial. O objetivo é que a transição inicie já em 2018. SAIBA MAIS: - Prefeitura entregará ao Samae gestão da coleta do lixo domiciliar, comercial e de similares