Minha leitura estava indo sem sobressaltos até que o filósofo/autor escreveu esta frase: - “As necessidades da alma não podem ser compradas, logo, você tem o poder de ser feliz”. E aí, o que você acha? Aposto que concordou. Mas aí é que está a encrenca, todos concordam, mas vivem de modo diferente dessa concordância. De minha parte, vivo repetindo que a felicidade é porta que só abre por dentro, deixando bem claro que ser feliz depende só de nós, ninguém, nada, pode arrombar essa porta da felicidade, só nós temos a chave para abri-la ou fechá-la. Mas não adianta dizer, não adianta as pessoas concordarem, todas ou quase todas vivem na dependência dele ou dela ou de algo, quer dizer, impossibilita a felicidade. Faz sentido. Se a sua felicidade depende dele ou dela ou de algo, você não é livre e os “amarrados” não podem ser felizes, quando pensam que o são, não se dão conta de que “dependem” de alguém ou de algo. De fato, não se pode comprar a felicidade, as necessidades da alma e, convenhamos, graças a Deus, não é mesmo? De outro modo, se só pudéssemos dar paz à nossa alma, ao nosso espírito, com bens dependentes do dinheiro, os ricos seriam sempre felizes e os pobres sempre infelizes. Outra vez, graças a Deus que não é assim. Bom, mas se o dinheiro não nos pode comprar as necessidades da alma, leia-se felicidade, por que tão poucas pessoas são felizes, ou aparentemente felizes? Porque o ser humano é um bicho que não deu certo, que se alça à condição de racional, de superior na escala animal mas não passa de um pobre tonto. Temos dentro de nós o básico para bem assistir a nossa alma, temos os alicerces da felicidade, mas andamos por aí a bater cabeça e a procurar por essa felicidade lá ao longe ou nos braços de alguém... Mas vá dizer isso a quem disso não se dá conta, vá! Para terminar esta conversa enjoada, saúde, família, trabalho, amigos, escola e liberdade, o que mais a pode fazer feliz, leitora/leitor? Nada, por certo. E quantos de nós temos tudo isso e vivemos rangendo dentes como estúpidos? Queremos mais e tolices. As necessidades da nossa alma só podem ser atendidas por nós mesmos, com o que há dentro de nós, de modo natural... Mas o ser humano estulto, todos ou quase todos, vive a buscar lá fora, em pessoas ou bens, o que nos foi dado ao nascer: a liberdade e as condições inatas para ser feliz.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO