Que nojo senti do sujeito. Já vou dizer de quem se trata, antes preciso lembrar que, segundo a psicologia freudiana, podemos nos dissimular como bem entendermos, mas... Vamos nos revelar por todos os poros.

É uma caraterística humana, haja vista que nos livros religiosos assírios já se lia que não há segredos para a pessoa que tenha olhos de ver e ouvidos de ouvir. Prefiro dizer olhos de perceber e ouvidos de escutar, é mais enfática a verdade...

E o que mais “revela” uma pessoa é o poder. E poder pode ser qualquer posição social, desde que o pacóvio entenda que está no poder ou tenha poder. Digo isso e lembro do primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini, do partido Liga.

O sujeito quer a titularidade do governo italiano e, claro, sentar-se na cadeira de primeiro-ministro, ainda que não tenha talento. Mas até aqui nada, sabe-se que qualquer cabeça-de-ovo quer subir no poste das grandezas.

Ocorre que esse “vice-primeiro-ministro”, dia destes, deixou-se fotografar sem camisa, com fones nos ouvidos e mexendo numa mesa de som, fazendo pose de DJ. Só pela foto, se os italianos forem mesmo dados à bravura já devem riscar da lista de candidatos esse sujeito.

Tem cabimento um homem público, mesmo de férias e num balneário, andar sem camisa e deixar-se fotografar? Vale para todos os que ocupam “alguma” posição na sociedade.

Quando andamos por aí não somos apenas nós, somos nossa família, somos a empresa onde trabalhamos, a função que exercemos, a igreja a que pertencemos, o partido a que nos ligamos, ao diabo a quatro... Nunca estamos sozinhos e somos apenas nósmesmos.

O cara não sabe disso? Já não bastam os padres sem batina, cantando, dançando, passando batons nos beiços, usando calças de cowboy, fazendo caras bocas? Não basta?

Ontem ainda, li a seguinte manchete no site UOL – “Jeito como você usa o cabelo é uma forma de expressão”. Claro que é! E pelo que tenho visto, uma forma de expressar horrores...

Mas não na minha empresa. Lá o cabelo é “cadete” para os homens e preso ou curto para as mulheres. O que anda por aí assusta. As pessoas de fato se revelam por todos os poros. Valeu, Sigmund! Sigmund Freud.

Amigos

Se você já me “ouviu” aí em cima, talvez me pergunte: - Tudo bem, Prates, mas tu não tens nenhum amigo desmazelado, “atiradão”? Tenho, mas é a tal coisa: amigos, amigos, negócios à parte.

O que não faz sentido é o sujeito achar que por estar de folga ou férias podem andar por aí como bem entender. Não pode. Sempre somos nós e nossas circunstâncias. Ué, gente!

Atenção

Uma moça atendente de uma padaria me contou que ela vive “furando” a fila do atendimento. Tudo em razão de muitas pessoas ficarem o tempo todo olhando para o celular enquanto esperam a vez de serem atendidas.

A moça dá preferência para os que estão “vivos” a espera do atendimento. As do celular não raro reclamam e ouvem da moça do balcão que ela não as queria incomodar... Sutil. Essa moça merece aumento.

Falta Dizer

Não raro, andamos por aí como burros de carga, um baita peso sobre os ombros e não sabemos o que fazer. A pergunta que devemos nos fazer é – “Que elementos, “valores”, do meu presente e do meu passado precisam ser descartados”? E se você for honesta/o vai ver que quase tudo.

Exagero? Parece, mas, é verdade, vivemos carregando sobre os ombros da vida lembranças absolutamente inúteis ou ações prejudiciais. Limpeza já

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger