O que você faria se soubesse que iria morrer em um mês? Penso que só um desatinado teria uma resposta racional, afinal, o medo da finitude é o que nos provoca a chamada angústia vital, a que nos acompanha do berço ao último suspiro, eliminando do ser humano a possibilidade de ser feliz... Essa pergunta (o que você faria se...) já foi feita muitas vezes, mas toda vez que a escuto penso nos diagnósticos diferenciais.

Vou explicar. Muitas doenças têm sintomas parecidos, muito parecidos. Só médicos altamente competentes (raros) vão saber fazer a distinção entre um mal e outro. Então, quando dizemos que entendemos uma pessoa que está a passar por um sofrimento, estamos fazendo o “diagnóstico” a partir de nós mesmos, o que enseja grandes equívocos.

Só pisando num prego para saber o que é pisar num prego, fora disso, tudo o mais é conhecimento analógico, comparativo a partir de nós. Um erro.

Chego até aqui, leitora, para resumir a história de um brasileiro que vive nos Estados Unidos e que sofre de depressão desde jovenzinho. A minha definição de depressão constrange muita gente, vou deixá-la, por ora, num canto. O que acontece com esse nosso “mano” brasileiro/americano é que ele já tentou de tudo e não achou saída, mas parece que agora achou: ele vai varrer os Estados Unidos de moto, sem rumo, andando, andando...

Pois penso que o que sempre faltou a esse nosso conterrâneo vai agora realizá-lo: um bom motivo. Ninguém luta pelos vazios, pelo sem razão, pelo nada... Quando temos uma luz instigante diante dos olhos, piscamos. Piscamos e saímos do lugar. Maior parte das pessoas vive em “piloto-automático”, ações e reações sem ânimo nem propósito. Vidas vazias, passo largo à depressão.

Só um estropiado da vida decidiria fazer algo prazeroso sabendo que tem apenas um mês de vida pela frente. É preciso que nossas ações tenham largos horizontes, tenham “futuro”, e vem daí a necessidade de casarmos por amor com nosso trabalho, com o que for. Ninguém sonha em amar por pouco tempo.

Vidas vazias geram desânimos emocionais, psicológicos, não raro, diagnosticados como doenças, depressão e quejandos...

Tenho certeza que o nosso amigo, Ciro, o brasileiro/americano, vai achar a sua rota de vida ao sair por aí. Quando saímos por aí, na verdade estamos saindo para achar um porto seguro: o da felicidade. Vai firme, Cirão!

Justiça?

Ouça esta, estava no site de jornalismo UOL – “Processo leva 63 anos para ser julgado no STF, e até hoje advogados já morreram”. Era um caso de investigação de paternidade, movido pela família de um jovem pobre contra um fazendeiro rico, no RS. Tem cabimento? E se a ação judicial fosse de um rico contra um pobre, o tempo de julgamento seria o mesmo? Este país precisa de uma “Revolução”, já. Espadas ao brilho! Já. 63 anos um processo...

Confúcio

Frase atribuída a Confúcio, pensador chinês: - “Para saber como um povo está sendo governado, conheça a sua música”. Cruzes, se o Confúcio, voltasse à Terra e liga-se o rádio, bah, ia voltar correndo. Só ouviria ordinários mentindo ser sertanejos, música de mictórios, é só o que dá por aqui. Duvidas? Ligue o rádio, ache uma música orquestrada, ache “Música” no rádio, ache... Pago um picolé.

Falta Dizer

Vagabundos continuam entrando sem camisa em supermercados, supermercados ordinários, isso sim. E se uma mulher quiser entrar sem blusa, pode? Que as pessoas decentes não entrem nesses antros, que procurem por um supermercado decente.

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger