Duas das inquietações mais comuns entre os humanos são ser feliz e ficar rico. E até não digo ficar rico de jogar dinheiro pela janela, mas ter o suficiente para viver bem e não precisar perder o sono por um futuro assustador. Vamos combinar, é duro viver contando os dias para dia do salário na conta...

Outra vez, remexendo nos meus arquivos temáticos, reencontrei uma velha reportagem da Veja sobre a vida dos muito ricos. Só ser rico não serve, é preciso ser muito rico. Certo? Muitos pensam assim, mas... Americanos, pesquisando, descobriram que os muito ricos vivem menos que os muito pobres. Paradoxo incompreensível...

Mas como disse, fui, outra vez, aos meus arquivos e reencontrei a tal reportagem – “Os segredos da mente milionária”, título de um livro. Desse livro vou lhe repassar o resumo de formas de pensar, do modo como costumamos pensar. Ouça...

O modo de pensar nos encurta o caminho para a vida plena ou nos empurra para os barrancos dos incômodos, para não dizer que esses barrancos também nos costumam encurtar o caminho para o desfiladeiro do “nunca mais”...

O modo de pensar é tudo, e você sabe que vivo repetindo essa obviedade. Nesse livro que trata das mentes milionárias, o autor, Hary Eker, diz que os pobres pensam: - “Eu nunca conseguirei ficar rico”. As pessoas de classe média dizem: - “Quem me dera um dia ficar rico”. Já os futuros milionários afirmam, com toda segurança: - “Eu vou ficar rico”.

Que tal? Só um inválido da mente pode negar essa verdade. A fé, a fé em nós mesmos, produz todos os milagres que muitos costumam creditar a divindades. As divindades de todos os milagres e possibilidades estão dentro de nós. Ninguém se pode dizer excluído dessa.

A diferença entre as pessoas é a diferença de suas cabeças, do modo de pensar, crer, agir, ter e ser feliz. Quantas vezes já disse aqui do Evangelho de Marcos 9:23 – “Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê”? Nossas misérias na vida não vêm de destino nem de ninguém, vem de nossa cabeça. Mas poucos têm cabeça...

Milagre

Se a pessoa diz que nasceu pobre, teve ou tem pais analfabetos, estudou pouco, vive numa cidade pequena, diz que nunca teve sorte, chega mesmo a dizer que não devia ter nascido, a pessoa está condenada por ela mesma ao nada na vida.

Mas poderá superar todas as adversidades se for lá dentro, ao espelho do banheiro, apontar o dedo para a cara “refletida” e disser – “Olha aqui, tu poderás ser o que quiseres na vida, depende de ti, só de ti”. Estará escrevendo uma vida de vitórias. O credo da fé produz milagres.

Moda

Hipócrates, o pai da Medicina ocidental “teria” dito: “Que o teu alimento seja o teu medicamento”. Fico pensando, o que diria Hipócrates se ouvisse a discussão que ora incendeia o Brasil sobre os venenos da lavoura? Venenos, eu disse. Mando para os

Falta Dizer

Uma das diferenças entre o pobretão existencial e o rico é que o pobretão pensa em ganhar dinheiro para comprar um bom carro, já o rico pensa e fazer dinheiro, fazer muito dinheiro e só depois pensar em trocar de carro ou casa. Bem diferente. O objetivo de um é o carro, o do outro é fazer dinheiro... Nada de novo.