Acabei de ver uma cena e surtei. A cena me deixou mais irado ainda com os frouxos da vida, com os que vivem precisando de comprimidos psicológicos para “suportar” o dia a dia... Os frouxos de uma figa. Antes de contar da tal cena, preciso “relembrar” aos esquecidos que tristeza é uma coisa, tem causas objetivas e tempo de validade... Já as depressões não, essas são vagas, imprecisas e desculpadas de todos os modos, sem que ninguém “cientificamente” as explique e as justifique... A cena que vi colocaria em “depressão”, senão em desespero, milhares de crianças mimadas ou jovens abobados, como esses que andam por aí aos bandos nos pátios dos colégios e nas orgias ostensivas nas praças de alimentação dos shoppings, só faltam levar a cama para o namoro no shopping... Pois bem, a cena que vi veio do Amazonas e mostrava, o que já sei há dezenas de anos, um barco, ou barcos, levando quatro meninas e três meninos para o colégio. Duas horas para ir, duas horas para voltar, todos os dias, todos. Barquinhos que só de olhar dá medo... E as mães ficam em casa, e não se preocupam com os riscos, com os perigos que os filhos enfrentam todos os dias? Elas têm fé e sabem que é necessário. E tudo acaba dando certo. E por aqui? Por aqui os dengosos vão ou de ônibus ou de carro da família, descem na porta do colégio, levam dinheiro para a merenda (sim, porque pão com chimia levado de casa é coisa de pobretão...), usam mochilas de grife, roupas de marcas e... não estudam o que deviam e como deviam. Como comparar aqueles ribeirinhos amazônicos com os aprendizes de playboizinhos? Sem comparação, aqueles do Norte são muito melhores como pessoas, não se abatem pelas suas “naturais” dificuldades, não se entristecem, não, enfim, se deprimem, pois não? E como pequenos cidadãos, cidadãs, no que eles são inferiores aos das cidades? Em nada. Então, aplaudamos aqueles jovens – “Brasileiros” – que enfrentam distâncias e perigos para chegar à escola, e não gemem nem se deprimem. Ô, gurizada, que vergonha vocês provocam em muitos bobões do asfalto e da vida, o pessoal do Rivotril e das Ritalinas... Que vergonha! SENTA Vou ficar com Florianópolis, mas pode ser qualquer cidade catarinense ou brasileira... Candidatos a prefeito prometendo coisas que não vão fazer e que nem de longe é viável. Mas eu sei, tudo assentado sobre a certeza da ignorância do povo, sim, porque por maioria absoluta o povo é tosco, não lê jornal, não ouve e assiste a um telejornal com olhos e ouvidos críticos, nada. Daí que os safados mentem e se divertem. Esses ordinários precisam mesmo é de um bom olho no olho, numa salinha de pouca luz, para ouvir melhor. - Senta, senta e explica tudo, tens 35 segundos!... Mentirosos. FALTA DIZER Não entendo, confesso que não entendo. Abro a página social de um jornal e lá está: Fulana de Tal voltando de uma viagem ao Rio de Janeiro com o namorado. Como? Viagem com o namorado? Desde quando? E as famílias o que dizem desse descaro? Tudo igual.