Era sábado à tarde, centro de Florianópolis. Eu estava encostado a um poste a esperar por um parceiro de negócios. Lá pelas tantas, vinha um sujeito, caminhava quase no meio da rua, chinelos de borracha, vestindo uma bermuda surrada, uma barba de muitos dias por fazer e trazia numa das mãos um prato plástico com comida. Vinha comendo com gosto o que estava no prato, parecia um operário desses que não se cuidam... Ao vê-lo fiquei entre a antipatia e o fazer com ele uma provocação bem-humorada. Decidi pela segunda hipótese. Quando ele passou à minha frente, enchendo a colher e mastigando, disse a ele: - Pô, essa comida parece que está boa, hein? O sujeito me olhou e se aproximou. Reconheceu-me como jornalista da tevê... Hummmm. E em seguida, apontando para o prato de comida, disse que não precisava de comida, precisa de pensamentos, de ideias... Bah, atiçou-me da cabeça aos sapatos. Dei-lhe toda corda. E ele seguiu falando e dizendo que comida significa poder e que ele não era afeito ao poder mundano dos pratos mas às riquezas do pensamento... E por aí seguiu a conversa. O sujeito citou autores de todo tipo e se me afigurou brilhante. – Pô, cara, tu estás muito acima da média de pessoas que andam por aí, disse a ele. E a conversa seguiu. O sujeito me fazia coçar o queixo com as observações filosóficas, antropológicas, ricas de valores físicos e metafísicos, o cara era diferente e estranho em razão da erudição que demonstrava, tudo isso em cima de chinelos de borracha, bermudas sujas e barba por cortar. Jovem, uns 35 anos. Conversa vai, conversa vem, curioso, perguntei a ele no que ele trabalhava. - Não faço nada, respondeu, sou morador de rua. - Hein? Morador de rua? Sim, senhor. E me mostrou a mochila que ele levava nas costas com “todos” os seus bens... Dorme à noite num abrigo Espírita. E me fez um resumo da vida dele, dos motivos familiares com a mãe e as irmãs e que o levaram a essa vida. Contestei-o, encorajei-o e fi-lo ver o belo sujeito que ali estava diante de mim como mendigo... Depois de mais de uma hora de conversa, separamo-nos e fiquei pensando. Como um sujeito com aquela cabeça vai para a mendicidade? Muitos foram e irão. Razão? Fraqueza de ânimo, medos, sentimentos de culpa, raivas, vivências emocionais desastrosas, enfim... Em resumo, conheci uma cabeça rica que se jogou no lixo, dando-se nenhum valor. E como ele, multidões pelas calçadas da vida... CONVERSA Nessa conversa que tive com o morador de rua que, por acaso, conheci, ouvi por bons minutos ele falar com o entusiasmo dos grandes oradores sobre diálogos do Mago Merlin, avô, com o neto, o Rei Arthur, personagens lendários da história britânica. De onde o “mendigo” tirou tudo o que ele tem na cabeça? Das leituras. Sem dúvida, livros e textos dão o melhor dos brilhos aos lábios. FALTA DIZER Ninguém pode andar com todas as suas riquezas materiais penduradas no pescoço para mostrá-las, mas pode andar com as riquezas da erudição na cabeça. E não há nada que provoque mais invejas e ódios nos outros. E quem não pode gozar dessa riqueza? Os desanimados e os vadios.