Grosso modo, é impossível viver isolado, viver de tal sorte que não dependamos de ninguém ou dependamos muito pouco. Isso é quase impossível, afinal, vivemos em sociedade e somos seres gregários. Mas é bem possível, sim, vivermos com bem poucas dependências de algumas pessoas, como chefes, por exemplo.

Tudo vai depender do estilo de vida adotado e do modo de viabilizar os recursos de que precisamos para viver. E digo isso, leitora, pensando numa frase que um dia ouvi do Telê Santana.

Telê foi jogador de futebol e depois virou treinador. Cara sério, ético e amigo daqueles de não precisarmos de ninguém mais. Outros tempos, ô, outros tempos!

Numa entrevista de rádio, daquelas entrevistas demoradas, o Telê praticamente contando da vida dele, o repórter perguntou: - “Telê, como é que se arma um time”? A resposta foi inesquecível, ainda que absolutamente óbvia. Óbvia? Sim.

Telê respondeu que um time, um bom time, “primeiro se escolhe homens, depois jogadores”. Bah, se o Telê reencarnasse hoje ficaria de cabelos em pé com o caráter dos “jogadores” de Brasília e com os que entram em campo por nossas equipes. Regra absolutamente geral.

O caráter faz o “jogador”, qualquer jogador, e estou falando já agora dos jogadores da vida, estou falando de todos nós.

Se o sujeito se “alugar”, se vender suas ideias, se correr atrás da bola para não chegar, se pensar em seus contratos antes de pensar em suas sagradas e asseadas vitórias, babaus.

Vem desse deserto de gente boa, de caráter pétreo diante dos valores que não podem ser negociados, que estamos nesta miséria humana e social. Tudo devia, devia, eu disse, começar dentro de casa com a educação de pai e mãe com os filhos. Um horror o que se vê.

E vai se continuar vendo, as famílias não se formam mais pelo amor e pelo caráter, mas pelas circunstâncias, interesses e mesquinharias bem escondidas. Amar e educar é para poucos. O verbo hoje é “negociar”, negociar as ações, as palavras, as ideias, os interesses de toda sorte.

Quanto ao futebol, vem daí a miséria do futebol brasileiro de hoje. Os ordinários, maioria, correm em campo para não suar, e os demitidos são os treinadores. Na política os safados costumam vencer e o povo se danar. Mas a “revolução” está por perto... Chegando!

Amadores

No futebol brasileiro todos são profissionais, o sujeito não carrega uma palha senão por bom dinheiro, mas... Os presidentes são amadores, trabalham de graça. E o que fazem esses “amadores”? Exemplo?

O time ganha, ganha, ganha e lá pelas, tantas perde dois jogos. O treinador é demitido. E os calções-borrados que não suam como devem dentro do campo? São intocáveis. Os treinadores pagam o pato. Imoralidade. Assim, os times brasileiros vão continuar perdendo e atolados.

Livros

Numa grande empresa por que passei, com licença da direção, comecei a organizar uma biblioteca, livros para o pessoal, jornalistas, lerem no fim de semana, aquela coisa. A ideia foi aceita, com algumas reticências.

Cederam-me três prateleiras, uma pequenina sala e tudo ia bem, eu imaginava. Dias depois, pediram a salinha de volta, a biblioteca ia ficar para mais tarde. Sem mais comentários...

Falta dizer

Quanto menor o talento, mais ruídos os abobados da vida fazem. Uma coitada, sem nenhum talento, mas com bom espaço na TV, ganhou destaque nos sites de jornalismo.

Ela deu à filha um carro elétrico, brinquedo, de R$ 4 mil. E a tal filha não tem ainda três anos... Por que esse exibicionismo psiquiátrico? Por que não deu um livrinho? Pobre diabo.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul