A psicologia me cansa. E de tanto me cansar a alcunhei de Bruxa Má. Ela nada tem de fada madrinha, é bruxa má das piores. Ela vive nos puxando as máscaras e nos deixando nus diante de nós mesmos e da vida. Costumo ler obituários, já disse isso aqui. Quero saber do que morrem as pessoas, que idade tinham ao morrer e o que fizeram na vida. Uma repetição enfadonha. Seja rico ou pobre, todos somem na vala comum. Seja ou não bem realizada na vida, chegou a hora do prazo de validade, puft, lá se vai a pessoa... E diante disso, sobra, como sempre, a velha e eterna pergunta: por que vivemos, de onde saímos, para onde vamos e, mais que tudo, qual o significado da vida? Diante da impossibilidade de uma resposta, o ser humano inventou as religiões, esse engodo que promete céu e ameaça com infernos. Bolas, céu e inferno estão dentro de nós, por nós criados e ponto final. Sabemos disso, todos sabemos, mas para nos anestesiarmos um pouco fingimos crer. Fingimos. Ninguém crê. A pessoa que de fato cresse, não seria ansiosa, temerosa, insegura, e todos somos. O cara sai de igreja cheio de medos, de encrencas na cabeça, na alma, de nada lhe adiantou ter fingido orar e crer. Triste. Falo, sempre que posso, com pessoas de ordens religiosas e lhes faço as mesmas perguntas. E ouço as mesmas respostas: entre eles/elas há invejas, ódios, ansiedades, depressões... suicídios. Suicídios não contados ao público, menos ainda à imprensa. Ué, mas não eram tão crentes, tão seguros da fé?... Da boca para fora, sim. Só da boca para fora. Procuro estudar a cara das pessoas ditas bem-sucedidas e... não lhes vejo nada de diferente, vejo rugas disfarçadas e vejo olhares vazios, desesperança, e olhe que essas pessoas vivem aparentemente cheias de poderes e riquezas. Mas tudo isso não lhes aplaca a consciência do fim, da vala comum. Como podemos escapar? Essa é a pergunta que Eva fez a Adão e Adão preferiu comer uma maça. Foi ele, o homem, quem comeu a maçã, e os canalhas inventaram que foi a mulher, bandidos... Não há saída senão o desapego, soltar-se a pessoa das mundanidades e grudar-se a uma paixão que, senão anula a consciência vital, ao menos a atenua. Amar, seja o que for e para ao bem, é a única saída. Dito isso, vou lá dentro, lamber os meus selos, a minha coleção para o nada... Bizarro Aconteceu em Porto Alegre. Uma idosa foi atropelada e sofreu fraturas. Onde o acidente? Dentro de um shopping. Uma outra mulher, criada, crescida, andava num daqueles ursos de pelúcia enormes, movidos a bateria, uma atração para crianças, mas... A adultona andava no brinquedo e, burra, acabou atropelando a idosa. Pode isso? Pode. Com esse tipo de adultos de hoje, tudo é possível. Na minha delegacia, a atropeladora ia montar... num porco. Falta dizer Ante uma pergunta embaraçosa pare e pense. Você vai se dar bem e evitará encrencas. E se for uma provocação na Internet? Bah, pare, pense, pense, pense, pense... antes de responder. Sono tranquilo mais tarde...