Desprezo aos que querem o bem-bom, o sucesso na vida, mas não querem suar, querem um “elevador”, como se existisse elevador para ajudar mimimis. Já explico da razão do meu amuo. É o seguinte, dia destes foi o dia de Santa Edwiges, a santa dos endividados.

Isso me irrita, ordinários inventaram um santa para ajudá-los. Já disse aqui miríade de vezes que só aceito endividamentos em casa de doença, da própria pessoa endividada ou de alguém que lhe seja próximo, pessoa querida. Fora disso, endividamento é coisa de gente irresponsável.

Bolas, o sujeito joga dinheiro pela janela, se encalacra e depois vai pedir ajuda à santa dos endividados? Descaro puro. Eu queria ver a cara do energúmeno que inventou essa história de “santa dos endividados”. Bolas, santo ou santa não ajuda a quem não se ajuda e menos ainda a quem não tem vergonha na cara.

As orações que os endividados devem fazer são simples, bem conhecidas, eles “sabem” bem que orações são essas. A primeira é – Juízo. Pôr juízo na cabeça é a primeira das orações, a santinha vai ouvir.

A 2ª oração é – Disciplina. Não pôr a mão no bolso por qualquer desejozinho de nada...

A 3ª oração que Santa Edwiges gosta de ouvir é – Responsabilidade. A palavra diz tudo.

A 4ª oração é distinguir, separar os essenciais dos secundários no consumo. Respeitar-se, dizer a si mesmo, disto eu preciso, daquilo não. Esse discernimento – que todos sabem fazer, ô, se sabem, é um santo remédio para o dinheiro não sair dos bolsos de modo irresponsável.

E a 5ª oração – é o endividado tomar uma colher de chá de “Semancol”, o remédio que vem da fruta chamada – “Vê se te manca”... Com essas “orações”, Santa Edwiges não vai ser incomodada pelos “bebês” que se endividam jogando dinheiro fora, em “viagens” de lazer, muitas vezes.

Aliás, não conheço um único tipo desses que andam por aí, endividados, que esteja endividado numa livraria. Não sei, leitora, se você já notou, mas há “santos” e “santas” (inventados) para ajudar os irresponsáveis de todos os tipos.

E para terminar, mais uma vez é bom repetir – Nenhum santo ajuda a quem não se ajuda. Acordem, mandriões!

LÁGRIMAS

- Ah, isso não se faz, Boldrin! Sentei para o meu chimarrão, liguei o celular nas notícias e... Dei de cara com um vídeo do Rolando Boldrin. O pessoal do site colocou de propósito, Boldrin declamando “Quando eu morrer”. Declamação feita num dos programas dominicais dele, pouco antes de morrer. Acabou com o meu chimarrão, tanto que chorei. Fico pensando, esse tipo de ator, cantor, compositor, apresentador, erudito, está em extinção nas tevês. Ou aceitamos os trastes que as tevês andam mostrando ou melhor é desligar, ficar só no chimarrão.

CUIDADOS

Manchete da Folha – “Ainda são necessários cuidados com a Covid-19”. Bolas, mas é preciso dizer isso? Claro que é, os toscos andam por aí, os velhos e velhas, mais que todos, sem máscaras, tossindo, espirrando, metendo os dedos no nariz, reclamando de tudo e não lendo jornal, não acompanhando os canais “sérios” de televisão, nada. E depois querem UTIs confortáveis e lugares privilegiados nas filas. Toscos. E os jovens? Sem pais...

FALTA DIZER

Mais um caso. Mãe e filha de quatro anos acabavam de sair de uma igreja evangélica em São Paulo. Um tiroteio na rua e... Uma bala “perdida” esfacela o rosto da criança. Morte na hora. Mãe e filha haviam saído de uma “sessão” com deus. E onde estava esse deus que deixou morrer a criança inocente? Baita patranha