Gerações e geração vão passar e a pergunta continuará a ser feita, sem resposta: - “Qual é o sentido da vida”? Não havendo resposta racional, o sentido da vida passa a ser a busca pela felicidade, isto é, uma vida sem desconfortos. Mas também já sabemos que uma vida em linha reta, só prazeres, seria mais tediosa que o mais ardente dos infernos. É preciso que subamos e desçamos, a gangorra da vida nos dá graça: quando estamos embaixo queremos subir e quando estamos em cima não temos medo pânico de cair e sofrer.

Dessa luta sem fim, resultam as estultícias humanas. Exemplo? Dois. O primeiro estava – e mais uma vez – nas páginas de uma revista feminina. Uma publicidade que dizia assim: - “Tratamento anti-idade”. Tratamento anti-idade é uma coisa tão estúpida quanto um relógio andando em sentido contrário, o dia vai ficando mais cedo, mais cedo, mais cedo...

Mas por que esses produtos anti-idade vendem? Porque não queremos morrer, morrer é um túnel tão escuro que o diabo deve morar dentro dele. Assustador. O nada é o pior dos sentimentos. Carl Roger, psicólogo americano (1902/1987), dizia que a nossa pior angústia é a “angústia vital”, a que nos acompanha do berço à sepultura sob a permanente consciência de um “prazo de validade”.

E uma outra grande estultícia humana é a busca pela felicidade achando que ela pode estar em algum lugar, diferente de onde ela só pode estar: dentro de nós.

Li há pouco sobre uma famosa de Hollywood que deixou tudo para trás e foi para o outro lado do mundo aliar-se ao budismo. Quer ser feliz, disse ela. Santo Deus, como pode uma pessoa ser tão “cega”? A pessoa pode adotar os princípios do budismo, ou da religião que for, sem sair da poltrona de sua casa.

É uma questão de pensamento e princípios, nada mais. Buscamos o tratamento anti-idade querendo com isso enganar o espelho. Aliás, se os espelhos falassem, bah, coitados, iriam apanhar muito. Eles tanto morrem de rir quanto choram de sofrer, tamanho o teatro das pessoas diante deles. Ser espelho deve ser trabalho duro, duríssimo.

Para ser feliz não saia de sua cadeira, você pode ser feliz aí mesmo; e para ser “jovem”, o creme anti-idade não tem qualquer poder, o poder está na sua cabeça, no modo de pensar, e viver a idade que quiser.

Gentinha

Nas esquinas, muitos toscos posam de gente fina, de bom gosto. Nada. “Trash” puro. Numa entrevista, um famoso autor de novelas, diz que – “No cinema, no concerto, no teatro o povo (maioria) é incapaz de ouvir, de apreciar a arte, falam o tempo todo, berram mesmo...”. Verdade, mas os broncos só fazem o que fazem porque os educados ficam quietos. Uns “safanões” e eles sossegam o facho.

Notícias

Quem é que inventa notícias? Os idiotas frustrados. E por que essas notícias inventadas (fakes) funcionam? Elas só funcionam com os que não leem jornal todos os dias, os que não sabem ler para entender, para compreender textos e daí ter condições de desconfiar e rejeitar as invenções dos idiotas. São poucos os capazes de fazer isso. Raros mesmo.

Falta dizer

Sem ser feliz no trabalho, muito difícil achar a felicidade em outros lugares. Num caderno de vestibular e profissões a chamada era: - “Todo chefe é chato quando você está na profissão errada”. E a culpa é do chefe ou do mandrião que faz o de que não gosta? Como é que outras coisas o mandrião faz direitinho, hein, mandrião?