A Psicologia é uma “ciência” cansativa, ela vai e vem com as mesmas e milenares verdades, não há novidades na Psicologia. Ontem, um tanto aborrecido, fui buscar algumas revistas, era preciso atualizar os “neurônios”, afinal, se não fizermos isso todos os dias, do mesmo modo como vamos ao café da manhã, os pobrezinhos dos neurônios definham de anemia, da anemia da burrice, da ignorância. O assunto que logo se me grudou nas retinas foi um longo artigo sobre a Fé e o Coração. A velha história de pesquisadores terem descoberto que as pessoas que têm fé, religiosa ou não, ou que têm boa espiritualidade, que nada tem a ver com religião, são pessoas “um pouco” mais saudáveis, têm 20% menos chances de sofrer um infarto e de se recuperar melhor depois de uma cirurgia. Todas as afirmações sempre no condicional, não garantem 100% de nada, e que faz sentido, afinal, o ser humano não é uma equação matemática, daí a razão de a Psicologia não ser ciência mas Filosofia com implicações psicobiofísicas... O desanimador é que os pesquisadores andam um tanto às cegas, não sabem por que certas imunidades são maiores no corpo dos que têm fé em “algo superior”, não é preciso que seja num deus, ou que têm uma vida espiritual um pouco acima da média. Não sabem? Bolas, lhes digo. Um sujeito quando está a rezar ou a pensar nas limitações da vida, quando “olha para cima” e se vê impotente diante dessa mesma vida e desacelera, deixa de se queimar por dentro em desejos ou maldades, quando reduz suas ânsias por prejudicar “concorrentes” tem sua pressão sanguínea diminuída e isso faz bem ao coração, à saúde toda. Isso é tão velho quanto Adão comendo aquela “envenenada” maçã. Foi ele quem a comeu, o maldito. E depois, para não ir sozinho para o inferno, obrigou Eva a comer também. Safado. E safados também todos os misóginos que contaram diferente a história... Enfim, não é preciso religião ou isso ou aquilo, o grande remédio é a paz, venha como vier essa paz. Um jeito mais macio de viver, aí estará a saúde ou a recuperação da saúde. O mais é crença das cavernas. O ser humano tem o poder de danar-se e de curar-se, tudo depende da cabeça dele. Não é preciso crer nisso ou naquilo, do que precisa é de ser bom, sendo bom viverá em paz. Vivendo em paz terá melhor saúde, com poderes para todos os milagres. O bem e o mal não existem, são criados por nossa cabeça...

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO