Quando chegamos num grupo, quando falamos ao telefone, quando entramos nas infantis e vazias redes sociais, abramos os olhos. Claro, também os ouvidos. Afinal, é milenar a frase: - Fala, se queres que te conheça!

Essa frase perdeu-se no tempo, mas o sujeito que por primeiro a pronunciou era um gênio. De fato, se quisermos conhecer alguém, que fiquemos na moita, ouvidos bem abertos, não apenas para ouvir, mas, sobretudo para “escutar”.

Escutar, você sabe, é mais que ouvir, é jogar a mente sobre o que está sendo ouvido. Chega, já fui longe.

Este momento pelo qual estamos a passar tem colocado muita gente “boa” na berlinda. Pessoas que se revelam nas postagens de seus gemidos e “radiografias” de sensibilidade vulgar, rasteira.

Exemplo? Centenas. Mas vamos a um deles.

Uma mulher, numa dessas redes sociais, gemendo pela filha, dizendo que a pobrezinha teve que fazer aniversário na cozinha, com um bolinho mixuruca... – “Ah, filha, mas quando tudo isso passar, vou fazer um festão para ti”. Foi o que a “senhora” postou nas redes sociais.

Pode uma estupidez dessas? As pessoas se revelam nos pormenores, em qualquer palavra ou gesto. E os maridos ou mulheres desses tipos não são muito diferentes, não têm como...

Este não é um momento para uma estulta alimentar estultícias na cabeça de uma criança, é hora de educar, de dizer à filha, aos filhos, que a vida é assim, tem seus altos e baixos, bons e maus momentos, que temos que ter paciência, coragem, espírito de luta e fé para vencermos seja o que for de adverso.

Lamentar-se por um aniversário comemorado na cozinha, com a família? Isso não é de produzir lamentos, mas gritos de felicidade. Desculpe, entendo, nem todos percebem isso...

O povaréu vive por aí criticando a deus e ao mundo por ter que ficar em casa, como velhos que tenho visto pelas ruas. Quando uma pessoa tem idade e boa cabeça, educação, sensibilidade, é um idoso ou idosa; quando não tem essa cabeça é velho, velha mesmo... Maioria que anda por aí.

Já foi dito que os sábios não precisam pegar um vírus alheio ou chinês para saber que é preciso lavar as mãos com muitíssima frequência... Já os sujos brigam com a mulher quando esta os manda lavar as mãos.

“Aquelas” mãos... Os últimos dias de Pompeia devem ter sido bem tenebrosos...

Limões

Este momento por que passamos é um momento de muitos “limões”... E você sabe que há momentos em que temos que transformar o limão em limonada.

Quando a crise passar, algumas pessoas estarão lá na frente, aproveitaram o tempo; outras, as pífias, frouxas e dadas ao fracasso vão continuar responsabilizando os governos.

Sempre foi assim. Aos indômitos o limão não é tão azedo...

Tempo

Uma boa justiça da vida é o tempo que nos dado. No relógio do pobre os minutos têm os mesmos 60 segundos do relógio do rico. E os sábios sabem disso e aproveitam o tempo, uma riqueza que não pode ser guardada, estocada.

Muitos mandriões vão sair da quarentena como entraram, sem nada na cabeça, jogaram fora o tempo. Depois se queixam da sorte, que tem para eles nome de governo...

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul