A tarde foi muito fria, ele trabalhou duro, foi mesmo um dia de uma correria cansativa, mas finalmente estava indo para casa, ufa! No trajeto para casa, como de hábito, passou por uma floricultura e nesse momento o “santo” lhe baixou, ele parou o carro, entrou na loja e comprou meia dúzia de rosas vermelhas para a mulher... assim, sem mais nem menos, o “santo” baixou. Chegou em casa com a mesma cara de sempre e com as flores atrás do corpo, como que a escondê-las. Entrou na sala, a mulher assistia à novela das 7h, trocaram o sorrisinho de sempre e ele a ela estendeu a mão com as flores... Ela estranhou, ficou um pouco sem graça e não achando o que dizer, disse ao marido: - “Humm, flores, o que tu estás querendo, aí tem”... O marido murchou. Parece que as flores também murcharam um pouco... Em síntese, este o resumo da ópera bufa: o marido chega com flores, a mulher estranha e diz que aí tem, o que ele estaria querendo... Muito comum uma cena parecida, muito comum. Claro, pode acontecer em sentido contrário, a mulher chegar ou fazer uma mesura e o companheiro nem aí, ou não entender ou acha que ela lhe vai pedir alguma coisa, dinheiro, quem sabe... Quer dizer, a pessoa que pensou na mesura, na cortesia, mesmo no amor, recebe um balde de água gelada sobre o ânimo. Muito comum. Não é porque o marido num certo dia, lá pelas tantas, mostra-se cortês, atencioso de modo diferente, que a mulher tem o direito de ser grosseira e achar que ele está querendo “alguma coisa, humm”. Sensibilidade deve fazer parte de todo e qualquer relacionamento, e muito mais ainda entre duas pessoas que, por certo, se devem gostar mutuamente, já nem digo se amar, seria um exagero, afinal... Mas esse tipo de insensibilidade é muito comum, comum entre pessoas que mantêm todo tipo de relacionamento, a começar pelas amizades regulares e a passar pelos colegas no trabalho. Você dá um “presentinho” para alguém dessa relação e quem o recebe parece que está recebendo uma conta atrasada para ser paga naquele dia. É grossura pura, é ignorância, é insensibilidade, esse tipo de gente não tem que ganhar mais nada. No caso do marido e as flores, que ele meta a viola no saco e “desligue”, ela que vá ser grossa assim... Muito comum.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO