Vou falar de uma pessoa muito sua conhecida, mas antes preciso dar umas voltas. Imagine um noivo e uma noiva entrando na igreja, vão casar, ele e ela a caminho da felicidade. De repente, ao entrar na igreja o noivo tropeça e só não se arrebenta no chão porque se agarrou no vestido da noiva... Imaginaste a cena? Será que nesse momento o noivo não diz sonoramente ou para ele mesmo um baita palavrão? Duvido que diga – “Bah, quase caí, que susto”!

O palavrão numa situação dessas está totalmente liberado, sem censura. Vale para a leitora ao bater um prego, errando a batida e esfacelando o dedão... Ficarias quieta, apenas soprando o dedo? Nesses momentos até o Papa vocifera, diz uma barbaridade, comete um “pecado”. O assunto, leitora, é sobre o rei Charles III. Até “ontem”, Charles era apenas mais um britânico, posto que cheio de balangandãs. Um cara quase do povo, do povão. Agora não. E os que sempre viveram perto do Charles dizem que ele não é muito de pensar duas vezes... Humm, então, imagino que seja chegado a um palavrão.

Pois essa foi a questão levantada por um segmento da imprensa britânica – “Charles continuará a dizer palavrões”?. Vou responder por ele. Faz parte da vida, e para a maioria, por falta de educação, dizer palavrões, chulismos, vulgaridades, todavia, para tudo tem hora... E para algumas pessoas essa hora nunca chega, elas são “proibidas” de dizer palavrões. Devia valer para todos nós. Um marido boca suja, uma mulher vulgar abrem a boca tanto para bocejar na rua quanto para dizer inconveniências. Vale lembrar – “Fala, se queres que te conheça”! Nós nos revelamos ao abrir a boca. E vem daí os cuidados que as mulheres, mais elas, devem ter ao começar um “romance”. É prestar atenção ao vocabulário do “pombinho”, a entonação diante de certas expressões e valores na vida.

Todos nós nos desnudamos ao abrir a boca. Os delegados são especialistas nesse tema, que o vagabundo, engravatado ou não, não chegue tentando passar a perna no policial. Vai se dar mal. E em nossas vidas pessoais devemos ser os nossos atentos “delegados”, de outro modo vão nos passar a perna com frases enganosas. E quanto a ti, Charles III, melhor é bico fechado.

BELEZA

Tudo bem que o livro dela foi escrito há muitas décadas - “Correio para Mulheres”, obra da colunista de jornais e escritora Clarice Lispector (1920/1977), mulher de ar misterioso e charmosa, lindíssima para o meu gosto... Clarice escreveu que – “Ser esbelta, bonita e saudável, este deve ser o objetivo da mulher moderna e inteligente”. Pois eu já penso que a grande mulher é a mulher Mulher, seja ela como for...

EXTERNOS

Alguém pode pensar que faço tipo dizendo que a beleza externa é algo vazio, sem valor. E é. Ou será que alguém me vai fazer crer que um casamento só vai dar certo se ele for um Apolo e ela uma Afrodite? Pelo contrário, são os casamentos que menos duram. A beleza vem de uma luz própria da pessoa, sem essa “luzinha” não há abajur aceso que compense... Ama-se o por dentro, quem amar o externo vai ficar olhando estrelas e suspirando no vazio.

FALTA DIZER

Manchete do site Metrópoles – “Saiba quanto ganha por show cada padre famoso”. Padre famoso? Famoso ou dinheirista? Famoso ou oportunista? Ademais, onde foram parar os “outrora” votos de pobreza e humildade que os sacerdotes “tinham” que fazer? Eu os queria cantando na minha delegacia, ô, eles iam desafinar...