Mais uma vez, a bomba... – O amigo se aproxima, diz algumas amenidades e me pergunta: - Te lembras do Dr. Fulano? Claro que me lembro, bah, se me lembro, é claro. E quando ia dizer um pouco mais sobre o Dr. Fulano, o amigo me diz, seco: - Pois é, cara, ele se matou hoje de manhã!... Mais um.

Sim, eu sei, desde Adão e Eva no paraíso as pessoas se matam, mas... Não vou dissertar sobre o que penso do suicídio, nem das razões das pessoas, elas são, mais das vezes, constrangedoras... Deixemos assim e pensemos no mundo em que vivemos. Completamente louco. Aliás, uma pessoa certa, equilibrada, sensata tanto quanto possível, vive hoje muito mal. Ela é tomada por diferente, por excêntrica, por isso e por aquilo e acaba isolada. Uma pessoa equilibrada, de bem consigo mesma, uma pessoa sem o vício dos modismos, sem as dependências do consumismo, uma pessoa respeitosa e respeitável, uma pessoa do bem vive hoje muito mal. Vive mal porque é rejeitada, suspeita, não tem parceiros.

Aliás, ontem, lendo uma página de economia de um dos nossos jornais, parei os olhos sobre uma notícia que trazia este título: - Alimentação saudável é um mercado que não para de crescer”. Então, vamos lá. A velha história de sempre, Hipócrates, o médico tomado como o padrinho da medicina ocidental. Hipócrates sentenciava: - Que o teu alimento seja o teu medicamento!

Não vou discordar, mas... Há muito modismo por aí, nem vou citar a estupidez coletiva de hoje contra o glúten. O “desinformado” nem sabe o que é glúten e o evita... Credo! Digamos, todavia, que faz bem à saúde escolher melhor o que comemos, não comer tanto, isso e mais aquilo, porém... Cuidar da boca e do que colocamos sobre a mesa é uma coisa, outra coisa, bem mais venenosa, é o que “comemos” em ideias, pensamentos, valores, neuroses de todo tipo e que com eles entupimos a mente e os nossos emocionais. É isso o que está matando as pessoas como pestes a bichos...

As pessoas, os metidos, os sabichões, os isto e aquilo, andam fora da casinha, mas se achando. Os valores morais e sociais estão fora do prumo e com eles, as pessoas. É isso o que mais está matando e não os alimentos da mesa. Quanto ao Dr. Fulano, não tinha razões para se matar... Não as tinha por fora, coitado.

Internet

Uma repórter acaba de dizer na televisão sobre os números dos que usam a internet, as redes sociais no Brasil, quase uma totalidade. E aí está uma das razões da loucura coletiva das pessoas, pobres desorientadas, perdidas existencialmente. Coitadas. Não falo das que usam da rede para trabalhos, negócios, não, claro que não; falo dos pobres dependentes de receber, passar e responder mensagens. Falta uma pesquisa sobre o conteúdo dessas mensagens. Freud, sabendo desses conteúdos, apagaria o charuto e se jogaria no mar...

Falta dizer

É bom dizer aos filhos, aos “espertos”, que 90% dos roubos de rua no Brasil são de celulares. Pudera! Observe como os “espertos” andam com os telefones por aí, observe... Depois, não se queixem.