Dizem que quem pensa não casa. Imagino que o sujeito que por primeiro fez essa frase foi um casado que se atirou nas uvas, não pensou e depois se arrependeu. Acabou pensando como a raposa de “O Pequeno Príncipe”: Estavam verdes... De minha parte, acredito que pensar demais trava nossas ações, ficamos sentados na poltrona da acomodação ou do medo. Sim, pensar nos traz medo ou nos leva a desistir, afinal, parece mesmo que nada vale a pena...

Dou estas voltas para trocarmos ideias sobre cartas de mulheres ex-casadas à uma consultora de relacionamentos, famosa, que escreve semanalmente num jornal de São Paulo

Resumo de algumas cartas. “Meu marido era carinhoso, compreensivo e fiel...mas eu queria mudar, queria ser feliz... pedi separação. Hoje estou muito arrependida e infeliz...”

Uma outra disse: “Éramos o típico casal perfeito, com dois filhos lindos, um apartamento maravilhoso, viajávamos muito, éramos companheiros... porém eu era muito ansiosa, queria liberdade e tentar uma nova vida... Deu tudo errado, estou arrependidíssima. Hoje, eu invejo a vida que meu ex-marido leva com a nova mulher dele...”

Várias cartas assim. E isso me fez lembrar de colegas que conheci que maldiziam a empresa onde trabalhavam, tanto fizeram, tanto fizeram que acabaram no olho da rua, num “divórcio” litigioso...

Estas situações valem para quase tudo em nossa vida. Pensamos daqui, pensamos dali e achamos tudo errado, até que de fato aparece o erro em nossa vida, um erro criado por nós, por nossos pensar e pensar. Temos uma tendência de pensarmos para o lado esquerdo, o lado sinistro, o lado errado. É uma queda humana querer olhar para o fundo do abismo... Falando nisso, outra vez lembro o samba do Ataulfo Alves, o inesquecível, o que cantava – “Eu era feliz e não sabia...” É uma desgraça, senão imperdoável estupidez, ser feliz e não saber, não se dar conta.

Voltando ao início da conversa, quem pensa muito não age, quem não pensa vai se dar muito mal. Quem tem o pêndulo do equilíbrio no coração e no cérebro casa bem, faz bons negócios e é feliz. Diachos, me apresente a alguém com esse pêndulo. E sendo ele tão raro, não há muita saída: é apostar na Mega-Sena da penumbra. Vai que dá?

Pergunta

Não sei se um menino teria essa inteligência, mas a pergunta rodou pelos sites de jornalismo do mundo... Um guri, de uns dez anos, teve a chance de chegar perto do Papa e a ele perguntou: - “Senhor Papa, meu pai é ateu, ele pode ir para o céu”? Não sei o que o Papa respondeu, mas eu respondo, guri: - “Se o teu pai for como aquele samaritano da Bíblia, claro que vai para o céu. O céu é para os bons, para os justos, não para os safados hipócritas que não saem das igrejas, o céu é para os puros, com ou sem religião. Aos demais, o inferno”.

Falta dizer

Um famoso jornalista, idoso, escreveu: - “Quem envelhece deixa de ser um mortal comum, perde a vergonha, a timidez, jamais cogita: o que vão pensar de mim? Pensem o que quiserem”. Pois eu penso que um velho que age assim é um morto-vivo. Lixo.