Já fiz de tudo para rejeitar minhas crenças sobre o invisível. Perdi todas as batalhas. Estive na escola marista, fiz Psicologia, a ciência da mente humana, não adiantou. Continuo crendo no sobrenatural. E antes que você me faça uma figa, digo-lhe que o invisível é tão natural quanto o visível. Meu esoterismo é feito de pedra. Pedra da fé.

Já falei aqui sobre vida extraterrestre. Grandes cientistas espaciais renegam a possibilidade de vida extraterrestre alegando falta de condições de alguns elementos físico-químicos para que essas vidas se manifestassem, impossível vida extraterrestre, dizem os parvos. Bolas, esses seres extraterrestres estão aqui, agora, sobre meu ombro, por exemplo, rindo de nossos atrasos...

Acredito nos “invisíveis” da vida universal e não acredito em coincidências. Aliás, alguém já disse que coincidência é o pseudônimo de Deus quando ele não quer assinar. Creio.

Por estes dias andei numa grande encruzilhada da vida, esquerda ou direita, nada a ver com política. Esquerda ou direita? E agora, que rumo eu tomo? Tentações dos dois lados, incerteza de ambos. Uma vivência daquelas que ninguém nos pode ajudar senão nós mesmos, nós e o coração? Insônias.

Lembrei-me então que os esotéricos, os que creem nos metafísicos da vida, acreditam em sinais. A vida nos manda sinais o tempo todo, fazer ou não fazer, ir ou não ir, sim ou não... O infinito de hipóteses e sinais. Mas a Psicologia nos lembra que em muitos momentos da vida podemos confundir predisposições com “sinais”, isto é, tendemos a ver o que, no fundo, queremos ver, ouvir, sentir... A predisposição altera as percepções. Estava vivendo um silencioso dilema: faço ou não faço, vou ou não vou...? Eu e mim mesmo. Pensei nos sinais, ah, se um sinal me pudesse ser enviado... Mas enviado por quem?

Nisso, peguei um jornal e fui indo, página após página, até que parei no horóscopo. Por diversão e curiosidade fui ao Aquário, e lá estava o “sinal”. Será? O horóscopo dizia exatamente assim: - “Seus planos passarão por um momento de profunda incerteza. Ainda assim, não se preocupe. Continue em frente, confie no seu taco. Você verá que além da nuvem de dilemas e incertezas, encontrará um terreno firme para progredir”. Depus o jornal, o horóscopo não era um “sinal”, era uma ordem... Fiz uma ligação e mudei a minha vida: disse a quem me ouvia: SIM.

Casais

Faz tempo que notei e anotei. Repórteres de televisão saem para entrevistas. Lá vem um casal... O repórter, a repórter, vai até ao casal e faz a pergunta... faz ao homem em primeiro lugar ou só ao homem. A mulher fica de boneca de decoração, ao lado. Quase sempre assim. Machismo puro. Falta de respeito à mulher, e as mulheres têm sempre mais e melhor para dizer. Mas ponha isso na cabeça desses repórteres cuecas-sujas ou garotas calcinhas-sujas... Quem tem a palavra num casal é o homem? Para repórteres imbecis, quase todos, sim.

Falta dizer

Não se esqueça: a mente causa todas as doenças. E por melhor que seja a cirurgia e o tratamento médico, se a pessoa não mudar o modo de ver a vida e a ela reagir, nada feito. Não haverá cura ou haverá grave recaída.