Por que muitas pessoas fazem tanta questão de casar, casar com “papel passado”, hein, por quê? Ora, para ter um atestado de propriedade sobre o outro, ela ou ele, para ter direitos sobre a outra pessoa. O “documento” assinado pelo juiz de paz e abençoado pelo padre garante direitos... Mas hoje são poucos os jovens que se casam, eles estão na verdade se juntando, são amásios... Não são cônjuges, “tá ligado”? Por que a mudança? Porque os homens não querem mais as amarras de um documento, querem tirar suas casquinhas e cair fora. E as trouxas que fiquem criando filhos e se virando como der... Conversa mole essa de dizer que as mulheres não querem mais se casar. Eles é que não querem.

Vou contar o que diz um artigo publicado dia destes pelo jornal britânico “The Economist”, sobre casamentos. No artigo lê-se que – “Homens e mulheres abastados, com educação superior, casam-se tarde e após uma cuidadosa reflexão. Seus casamentos são afortunados e em média são os mais felizes e mais gratificantes que o mundo já viu...”.

E antes que a garota salte da cadeira e diga que com dinheiro tudo fica fácil, peço-lhe que segure a língua e não diga bobagens.

Platão, o filósofo grego, sugeria que a mulher não casasse antes dos 27 anos. Ocorre que no tempo de Platão as pessoas viviam muito pouco, uma mulher com 27 anos era uma idosa. E por que não falou dos homens? Talvez porque os homens, em qualquer idade, são sempre uns babões, o que mais querem é o colo de uma mamãe...

Mas esses conselhos todos são inúteis, elas não veem a hora de se achar ao lado de um cara e eles, com sobra de “ofertas” estão aproveitando muito bem dessas “black fridays” das ofertas “amorosas”

Homens e mulheres devem aproveitar bem e de tudo de bom da juventude, depois, bem depois, após reflexões e de terem encontrado um bom par, então, casar. A probabilidade da felicidade seria bem maior. Hoje, sete em cada dez casamentos estão indo rio abaixo rumo ao divórcio após pouco meses.

Tempo, reflexão e dinheiro são as pedras do melhor pavimento para um casamento razoavelmente tranquilo. O mais é divórcio na certa, não sem antes muito Rivotril...

Ditado

Os abobados que pensam a educação brasileira vão e voltam e de bom nada... Discutem, veja se pode, religião em sala de aula em escolas públicas. Negativo, do que precisamos, isso sim, é do retorno dos exercí- cios de “ditado” nas aulas de português. O ditado revela se o sujeito sabe ou não ortografia, se conhece ou não palavras... Imagine um ditado para esses parvos que escrevem tudo errado nas vazias redes sociais ou discursam em Brasília...

Falta dizer 

As empresas têm dezenas ou centenas de funcioná- rios, mas como é difícil achar alguém que valha a pena para curtir como amigo, amiga... A maioria anda no radar da desconfiança, do mau-humor ou da falta de educação. Socorro! Mas, cuidado, podemos ser um deles.