Não quero nem pensar que você seja daquele tipo que acha que a grama do vizinho é mais verde que a sua, nem pensar. O diacho é que essa é uma tendência humana. Ai do colega que chegue amanhã na empresa com um carro novo, ai dele que o carro seja melhor que o nosso. Vamos arder por dentro, ainda que for fora façamos aquela cara de simpatia... Somos assim, se não fôssemos, o velho Salomão não ia dizer na Bíblia que “A inveja seca os ossos”. Como sou mais grosso que Salomão, digo que a inveja nos seca as tripas...

Lembro de um caso. De um vizinho. Bancário, ganhava pouco, casado, dois filhos. Andava a pé ou de ônibus. Um dia ganhou uma promoçãozinha no banco e... comprou um fusquinha velho, azul. Ainda se andava de fusca naquela época, faz anos isso. Mas foi o que bastou.

Um vizinho, “amigo” desse bancário, não disfarçou. Ele e a mulher visivelmente ficaram incomodados com o carrinho comprado pelo amigo e vizinho. Devem ter pensado: - Pô, era só o que faltava, agora ele também tem carro...

Somos assim. E esse tipo de comportamento, de fato, nos seca os ossos, as tripas, como digo lá no galpão. Vale para tudo. Vale para invejar e ranger dentes diante da aprovação no vestibular do filho do colega, do velho amigo... Vale para a bolsa nova comprada pela “melhor” amiga, não é mesmo, leitora? Dizer que vale para os carros ou carrão comprado pelo amigo ou colega é perder tempo, claro que sim, claro que ficamos buzinas da vida. Bico fechado, pois sim?

E mesmo que o nosso carro seja melhor, mesmo que a sua bolsa seja mais cara, leitora, mesmo que tudo de que dispomos seja de melhor qualidade que os bens dos nossos conhecidos, lá no fundinho das calças chispamos quando eles têm por igual... É inveja, é despeito, de tudo... Infelizmente é regra humana. E os que não são assim, ah, esses vivem fora da casinha dos hábitos sociais, são os “loucos” da vida, os que são felizes com o que têm... Nem sabem que na casa do vizinho tem grama, se tiver, não será mais verde que a deles. E ficarão na deles. Felizes. Já nós outros (ou a maioria) vamos lá dentro disfarçar. Ser feliz é muito difícil, afinal, os vizinhos sempre têm alguma graminha... Mais verde.

Fogo

De uma feita, pus a mão no fogo por um colega. Recomendei-o ao ponto de ele hoje ser um “rei” na empresa em que continua, após estes últimos 40 anos... Mas... queimei a mão de modo inesquecível, fui traído, até hoje ardem-me as queimaduras. Mas o que quero dizer, leitora/or, é que nada pode ser melhor do que saber que alguém põe a mão no fogo por nós. E quando isso acontece, temos que descer ao inferno, se for o caso, para justificar essa mão, por nada decepcioná-la...

Falta dizer

Admiro muito os jovens que trabalham e estudam. Como é que eles conseguem? E como é que vagabundos da classe média, que só “deviam” estudar, ficam em recuperação e criam casos em sala de aula? Falta “cinta”...