Elas, de novo

Colunistas

Por: Luiz Carlos Prates

sábado, 10:00 - 03/02/2018

Luiz Carlos Prates

Até quando essa estupidez? As mulheres não se dão conta, mas é uma baita lorota essa história de “empoderamento” e de que elas hoje são livres, soltas, faceiras, fazem o que querem sem qualquer reserva ou censura... Baita mentira. A mulher continua na senzala, escrava, com poderes e liberdades contidos, não podem ir ali na esquina depois das 8 da noite, ou até bem mais cedo que isso...

Fiquei irritadíssimo com a proposta de um curso de beleza, desses cursos que preparam mulheres para embelezar outras mulheres. Esse curso era anunciado assim – “Beleza e autoestima feminina”. Essa ligação da beleza com autoestima para as mulheres tem que ser por elas enfrentada. Não se pode aceitar que a mulher só possa fazer sucesso se for bonita, estupidez refinada isso, mas...

Isso começa lá na primeira infância das mulheres. E começa quando o pai, um tio, um avô, avó, vizinha, quem for, diz que a menina é uma princesinha... Dizem que ela é muito bonita e a criança vai crescendo ouvindo elogios sobre seus olhos, cabelo, cara, tudo... Ora, essa menina vai viver dependendo, e muito, ou quase só, de sua beleza eventual. E essa neura tem levado as mulheres a loucuras de todo tipo, como fazer plásticas uma atrás da outra ou entortarem-se com Botox muito cedo na vida, tudo, tudo, enfim, que vise à beleza. Como se beleza pusesse mesa...

O que faz de uma mulher Mulher é sua postura, suas ideias, sua independência, sua cidadania plenamente vivida e feita respeitar, ser mulher é ser Mulher. Uma possibilidade de todas, afinal, todas nasceram para ser Mulheres. O resto é servilidade. Agora, isso faz o gosto dos homens que de homens “tinham” só as calças, hoje “eles” andam de bermudas... Ah, os docinhos da mamãe... Mas acham que têm razão e querem mulheres no cabresto. Eu gostaria de ter esses machinhos por alguns minutos na salinha lá dos fundos da “minha” delegacia... Eles iam ficar bem bonitinhos, ô... Iam sair pedindo rouge...

A guria quando pequena é princesa, e o guri? Será que o vão chamar de lindinho, lindinho, lindinho, hein? Que as mães reajam, que não permitam que suas filhas, ainda que muito bonitas, sejam chamadas de princesas pela beleza... E que elas, por fim, deixem de ser tontas, não as quero chamar de burras, e lutar apenas por beleza. A grande beleza é invisível para os olhos, não é mesmo, Pequeno Príncipe?

Lembrança 

Você já sabe, é só para lembrar... – Diante da felicidade, estamos quase sempre com o passaporte errado – ou vivemos viajando pelo passado, com remorsos e sentimentos de culpa, além de suspiros inúteis, ou estamos em viagem pelo futuro, com temores e inseguranças”. Para ser feliz, melhor é rasgar o “passaporte” e viver no aqui e agora, onde o passaporte é dispensável. Coisa, todavia, para poucos. Nos esgoelamos no passado e no futuro. Paspalhos.

Falta dizer 

Aviso. Quando você for a Curitiba, ou qualquer cidade do Paraná, procure pela Rede Massa de Televisão (a TV do Ratinho), estou nela à noite, às 19h15, no SBT Paraná. Show de notícias.

×