A depressão pode vir por “contágio”? Claro que pode, aliás, é o pior dos contágios, o emocional. Vivi isso agora há pouco. Li uma notícia e comecei a tamborilar os dedos sobre o nada... A notícia me deprimiu, fechei os olhos e por segundos me vi dentro de uma dessas casas em que pessoas levianas pensam que poderão ser felizes.

A notícia vinha dos Estados Unidos e trazia esta manchete: - Jennifer Lopez (a cantora) põe cobertura à venda por 27 milhões de dólares”. Mais ou menos, 90 milhões de reais. Não se tem ideia da montanha que é esse dinheiro. E quando li a manchete lembrei de um irmão marista, um dos formidáveis que me educaram na primeira infância... O irmão, naquele tempo, disse que de 1 milhão de “cruzeiros”, reais hoje, todos precisávamos, mas que ninguém jamais precisaria de... 20 milhões. Veja bem, 20 milhões, uma “miséria”...

Nada mais correto, ponderado e justo. Precisamos, todos, do que se chama de “o bastante”, isto é, o que nos basta; mais que isso produz vazio existencial, enfado, tristeza, depressão...

Por que a Jennifer teria comprado um duplex em Nova Iorque, com 8 suítes, vários e vários banheiros, luxo, espaço, “vazios”...? Comprou para sentir-se importante, comprou para ser admirada, invejada, mas esqueceu que uma casa, um apartamento imenso como o dela, não produz “aconchego”, não produz aproximação entre as pessoas, produz um imenso vazio que abre a porta para a depressão. Vale para tudo o que nos leva ao exagero na vida.

A imprensa fala que o jogador Cristiano Ronaldo tem 8 carros de superluxo, carros que somados no preço valem mais que o duplex da Jennifer... E para que tudo isso se ninguém consegue dirigir dois carros ao mesmo tempo? Por quê? Vida vazia. O sujeito tem tudo dentro do campo, tem tudo nas manchetes dos jornais, tem o apreço de milhões de torcedores, mas... por dentro é um ratinho assustado. E não estou dizendo isso para defender discurso de pobretão... Não, nada disso. Já contei aqui que a, até então, mulher mais rica da Europa, sem ter qualquer doença que a pudesse transtornar, matou-se... Os jornais não disseram das razões do suicídio. Não era preciso: vida vazia, disse eu daqui... Se o dinheiro não for escada para nos preencher a vida com vida, de que adianta? E quantos e quantos nós conhecemos que moram em mansões “endiabradas” no tamanho, mas extremamente pequenas nas vidas que as habitam? Habitam ou sobrevivem de suspiros? Hein, Jennifer; hein, Cristiano Ronaldo?

Discutível  

Diz um educador financeiro num jornal: - “Acumule reserva financeira de, pelo menos, três a seis meses do seu orçamento. Isso vai lhe dar tranquilidade para enfrentar situações inesperadas e emergenciais. Eu costumo chamar essa reserva de “paz de espírito”... disse o cidadão. Será? Quando a pessoa é insegura, você pode cobri-la de dinheiro, não vai adiantar... 

Meninas 

Há quem garanta que “dinheiro é mais importante que sexo no casamento”... Pode ser, mas... Ainda acredito, estupidamente, que é possível ser feliz numa cabana. O bom sono não depende da cama, nem a felicidade do saldo bancário...