O relógio deu cinco da tarde, fui à cozinha, hora de preparar o chimarrão. Pronto o chimarrão, poltrona, tevê ligada e controle remoto na mão. Saí a procurar pelos canais por algo que valesse a pena “perder” algum tempo. Achei.

Num desses canais que você nem sabe que existem, havia uma apresentadora já de uma certa idade, não mais que isso, uma certa idade. Interessante... Ela recebia convidados e dava espaço aos que com ela fazem o programa. Lá pelas tantas, apareceu um tarólogo. Ele recebia perguntas pelo computador e por telefone. As perguntas variavam entre “prognósticos” de doenças, casos trabalhistas e, mais das vezes, questões amorosas.

Ouvida a pergunta, o tarólogo fazia o jogo das cartas e dizia do que ele via. E tudo, sempre, ele via no positivo, ia dar certo, de um modo ou de outro, ia dar certo. Todas as perguntas tinham resposta otimista, a dar tranquilidade ao telespectador. Ah,  esperto!

O tarólogo deve ter feito curso para candidatos políticos em campanha. Para os políticos em campanha é sentença condenatória: tem que mentir e tem que prometer “fantasias” que não vão ser realizadas. E não estou brincando, é coisa séria. As pessoas adoram ser tapeadas, enganadas, ai de quem não diga a eles que o amor vai voltar, que o patrão vai indenizar e que a doença já está curada... É assim, tem que ser.

E, olhe, não vamos longe, pobre do sujeito que nos primeiros dias de namoro não “venda” à garota, à mulher, uma ideia de vida maravilhosa com ele, das facilidades que ela vai conhecer ao lado dele, da felicidade, enfim. O ser humano paga uma nota preta para ser enganado. Regra absolutamente geral. Quando alguém inventou, na hora do sexo, aquela frase safada e consagrada do – me engana que eu gosto – o sujeito não estava brincando. Me engana que eu gosto.

Se você estiver pensando num negócio lucrativo, que ninguém nos ouça, mas sugiro que venda ilusões às pessoas. Vender ilusões não faz mal, pelo contrário, é muito melhor ficarmos esperando pelo que nunca virá do que termos certeza de que nunca virá. É ou não é?

Dito isso, tomar meu chimarrão e... ler meu horóscopo, ai do astrólogo que não me dê bons presságios, ai dele.

Chatos

Insuportáveis os chatos em todos os canais de televisão falando sobre “comida saudável”. A lactose faz mal, o glúten mata, o açúcar é pior que unha encravada, os carboidratos engordam e entopem artérias, ah, vão lamber sabão. O que faz mal é comer com a cabeça girando loucuras e estultícias de toda sorte. O que faz mal é os medos, as ansiedades e as frustrações dos “comensais”. Quem come mastigando com consciência e prazer no aqui e agora não vai ter problema algum. O que estraga a saúde são as cabeças doentes.

Aparência

Ontem ouvi uma palestra da TED (procure na Internet) e onde um sujeito falava sobre aparências. Enfatizou que a nossa aparência verbal, o modo como falamos, é a mais contundente. Sem dúvida. E eu vivo dizendo aqui: - Fala, se queres que te conheça! Valores, credos, conhecimentos, habilidades, educação e profissionalismos tudo se revela por uma “falinha” de alguns poucos minutos. Que pena que dizer isso seja perda de tempo. E é.

Falta dizer

Estou avisando agora. Empresas safadas vão mandar agendas de Ano-Novo lá por meados de janeiro, quando já enviaram para os “prediletos” e depois começam a desovar o estoque restante com os otários. Lixo direto com essas agendas recebidas já no ano de 2019. Certo? Acho muito bom, falsos gentis!