Muito interessante um quadro que dia destes foi mostrado no Balanço Geral, da RIC/TV, programa líder absoluto de audiência no horário de meio-dia na televisão de Santa Catarina. – Ah, mas espere um pouco, antes de ir adiante, preciso dizer que a fome tanto nos faz bem quanto grande mal, indiscutível.

Pois essa era a proposta do Balanço Geral, perguntar às pessoas na rua se elas concordavam com experiências científicas que garantem que a fome nos deixa mais criativos. E era isso o que o repórter perguntava às pessoas na rua: - “Com fome, somos mais criativos”?

Vou responder à pergunta por mim. Sim, a fome nos deixa muito espertos, mentalmente ativíssimos e, por isso, muito mais criativos. Há dois tipos de fome. Vou falar primeiro do tipo mais conhecido.

Ocorre que quando estamos com fome, o estômago manda sinais, e quem recebe os sinais e trata de resolver o problema é a mente, o cérebro. Vale dizer que na hora da fome nosso cérebro está inundadíssimo de sangue e sangue, você sabe, é a energia básica do cérebro.

Ao pensar na comida que vou comer, dou o meu “melhor” agora para acabar logo com este trabalho e... sair para comer. E quando acabamos de saciar os apetites do estômago, o que acontece? O sangue que estava no cérebro desce em grande parte para o estômago, para iniciar os processos digestivos e isso nos leva... ao sono, à soneira típica do pós-almoço, por exemplo. Tudo em razão da presença do sangue mais aqui ou mais ali.

Mas há um outro tipo de fome, ou vários. A fome de amor, a fome de justiça, a fome de reconhecimentos, a fome de ser, de ter... de tudo um pouco. E essas fomes nos levam à ação, e as ações motivadas por “uma fome” nos fazem mais criativos. Dito de outro modo, quando temos uma razão por que lutar, lutamos melhor e ficamos mais perto da vitória.

E para concluir, imagine a cena: O sujeito acabou de casar com a Miss Brasil, foi promovido no emprego, nesse meio tempo, ganhou na loteria e está agora seguindo em lua-de-mel para Paris... Você acha que esse sujeito vai ser criativo ao ponto de escrever uma poesia ou iniciar um novo negócio? Nem a pau, Juvenal. Fome nos torna mais criativos, sim. Ô, desculpe-me, antes de iniciar esta conversa com você comi um sanduíche deste tamanho...

Futuro

Qual o futuro para os brasileiros de bom gosto? Um passaporte. Ouça esta manchete: - “Sertanejo lidera Brasil, mas funk é o futuro”, diz a DataFolha. E quem vai chutar o pau dessa barraca e colocar mais balés Bolshoi e trazer música orquestrada, clássica, para este país sem arte? Fora de emissoras estatais, e olhe lá, pago um cafezinho se você ouvir uma música orquestrada em alguma rádio brasileira. A sertanejada urbana só quer sertanejo. A sertanejada se acha, mas nunca leu um livro ou ouviu um clássico... Sertanejada.

Frase

Frase do escritor russo Dostoievski (1821-1881): - “Se Deus não existe, tudo é permitido”. Não diga bobagem, senhor! Dito assim, todos os ateus seriam bandidos e, sabe-se, não há ateus nas penitenciárias, ora bolas. Ademais, “senhor”, o que nos deve dar decência e bondade não é um deus, mas a nossa educação e sensibilidade. Engula!

Falta dizer

Um tal de Raul Castro, que vive fantasiado de militar, dia destes pediu pela liberdade de um certo Lula... Estranho isso. O senhor fantasiado de militar, irmão de um fantasma chamado Fidel, esquece que o povo cubano está há décadas pedindo por liberdade e democracia e... nada. Espelho, señor!