Estava sem inspiração (o que me é comum...) mas precisava achar um assunto para este nosso encontro. Sobre o que falar, Santo Deus? Como saída, fui ao meu “seboso” livro – “Sucesso, Paz Interior e Felicidade” – um salva-vidas.

Folhei daqui, dali e achei duas frases que se me afiguraram interessantes, ainda que sobre comezinhas verdades humanas.

A primeira frase é um provérbio espanhol, diz assim: - “Ninguém está contente com a vida que tem”. Pelas biografias famosas que já li e pela vidinha desses “famosinhos” das nossas tevês, a verdade é incontestável. O ser humano é um caso perdido, não raro, está num mar de felicidade e não se dá conta, mas... basta perder um único bem dessa felicidade para acordar e maldizer-se: - “Meu Deus, eu era feliz e não sabia”! Humanos casca-grossa.

A outra frase é de um famoso médico gaúcho, nome nacional, pioneiro de determinado tipo de cirurgia, um salva-vidas, é isso... Preservo-lhe o nome, fica melhor, nem todos gostam que lhes identifiquemos, na dúvida, que lhe fique a frase, que é o que conta.

A frase do “doutor” é esta: - “A vida não é uma emergência (de hospital)! Pergunte-se que importância terá, daqui a um ano, o fato que tanto lhe incomoda hoje”. Magnífica, só que...

Vivemos, nesses casos das angústias e das preocupações, a intensidade do hoje, nunca vivemos tanto o hoje quanto quando estamos com uma pedrinha no sapato. A vida fica concentrada na “pedrinha”. Claro que pouco depois, olhando para trás, vamos ver como fomos estúpidos, que tempo precioso perdemos, aquilo não era nada...

Há muitos anos, vivi uma encrenca profissional, totalmente criada por mim, uma perda. Fiquei seis para sete anos tentando recuperar o que tinha perdido, mas... durante esse tempo todo, pressionado emocionalmente pelo meu “prejuízo”, apareceu-me o vitiligo. Aí sim, aí o bicho pegou. Dei a volta ao mundo, sem figura de retórica, dei a volta ao mundo procurando saída para o vitiligo, e nada. Todos me diziam que era emocional e hoje sei mais de vitiligo que o Prêmio Nobel da Medicina, só que... hoje também me dou conta de que fui refinadamente estúpido por me abater por uma bobagem que não valia um espirro. O doutor da frase tem toda a razão, perdemos tempo com nadas... E você, não estará perdendo tempo com alguma coisa? Cuidado!

Felicidade

O Psicólogo Haim Shapira, da Lituânia, autor do livro A Felicidade está nas Pequenas Coisas, costuma testar seus pacientes. Ele pede a eles que peguem uma folha de papel e em cinco minutos escrevam cinco grandes momentos de felicidade que viveram. O pessoal costuma revirar os olhos e dizer que é muito difícil lembrar desses momentos. As mulheres, mães, só dizem que felicidade mesmo foi o nascimento dos filhos. Pobrezinhas. E nenhum homem disse isso até hoje... Jesus, como é difícil ser feliz. Será? E você, como responderia ao teste?

Indireta

Um ex-marido falando da ex-mulher, famosa da televisão, dizia numa entrevista que – “A fulana não é mulher de indiretas, o que tem que dizer, ela diz”. Deus me livre com um tal tipo de mulher. A educação nos compele às indiretas, às habilidades no dizer; falar abertamente, diretamente, é falta de educação, quando não estupidez pura.

Falta dizer

Ninguém me vai convencer que 7h30m da manhã e meio-dia são horários de fazer sexo. Esses horários são os mais movimentados nos motéis, segundo pesquisa de uma rádio de Porto Alegre. A inferência que faço – quem faz sexo nesses horários está pulando a cerca, só um “ingênuo” duvida disso...