Já disse aqui que sempre concordamos com quem pensa igual a nós. Um descaro formidável de nossa parte, vale dizer que a verdade é virtude só nossa. Quem entrar na contramão é adversário ou burro... Ou será que a leitora concorda com aquela amiga que sempre está indo em sentido contrário ao que você diz? Humanos, humanos... Estou esfregando as mãos diante de uma notícia que vem do Reino Unido, publicado pela revista médica BMJ. A notícia diz que – “Antidepressivos só funcionam em 15% dos pacientes”.

Bah, vivo dizendo que depressão não é “doença” no sentido literal, é uma reação subconsciente da pessoa diante da imagem fraca que ela vê dela mesma: feia, sem-graça, sem talento, sem valores, sem sorte, sem futuro, sem nada... São pensamentos vividos de modo intenso, conscientes ou não. Ora, se a depressão fosse uma unha encravada é claro que a “tesourinha” do antidepressivo daria um fim ao problema.

E tem mais, os testes feitos pelos cientistas do Reio Unido disseram o que também venho dizendo desde que nasci: nada cura senão houver inconscientemente de parte do enfermo a vontade de ser curado. Pode parecer insanidade dizer isso, mas as pessoas não se dão conta de que se revelam pelo que fazem, como o caso de muitos esportes altamente arriscados. No fundo, no fundo da alma dos “desportistas” desses esportes há o desejo inconsciente de morrer.

Pesquisas recentes mais uma vez comprovaram que os placebos têm tanta ou mais força que os “remédios” convencionais no tratamento de quase todas as doenças. E o que são placebos? São comprimidos de farinha sem nenhum efeito prático, mas tomados como remédios verdadeiros pelas pessoas, sem que elas, é claro, saibam que estão tomando comprimidos de farinha, inócuos.

Encurtando a conversa enjoada, leitora, nós somos o que queremos ser em nossos pensamentos, conscientes, ou mais das vezes, inconscientes. Já foi dito que o nosso consciente é a pontinha do iceberg da nossa vida mental. O que nos faz ser ou não ser é o que está por baixo, escondido, a parte gigantesca do iceberg da mente, o inconsciente. No dia em que acordarmos para a verdade de que somos o que pensamos (consciente e inconscientemente), com certeza vamos viver melhor. Mas quando isso vai acontecer? Vai acontecer no dia de São Nunca, o santo da maior devoção dos humanos.

REALIDADE

Mas afinal, o que é realidade? Objetivamente, tudo o que existe. Sim, mas quem é que garante que o que existe, existe? Realidade é o que pensamos que existe. Se alguma coisa do que desejamos dá errado, a realidade está errada, era para ser de outro modo. Tudo o que foge aos nossos desejos ou percepções está errado, criamos essa “irrealidade”. E sofremos. Estamos perdidos no Universo. Esquecemos que tudo que é, é, independente do que pensamos. Ademais, o que é na vida?

PRECONCEITOS

A Psicologia devidamente respeitada nos leva à “loucura”. Muitos dos nossos preconceitos, por exemplo, ódios, rancores, antipatias, costumam ser, amores ou desejos frustrados. Os ardentes preconceitos costumam ser desejos inconscientes do que conscientemente é detestado. Ninguém escapa. O detestado é inconscientemente desejado. Freud tinha que ter sido preso...

FALTA DIZER

Você tem certeza de que está no caminho certo? Então, cumprimentos. Quem está no caminho certo não olha para trás, não fica preso ao passado, só olha para frente. Olhar para trás significa apegar-se ou buscar força no que não tem mais significado nem força. A vida está no aqui e agora, daqui para frente.