De jeito nenhum!

Colunistas

Por: Luiz Carlos Prates

terça-feira, 04:00 - 07/06/2016

Luiz Carlos Prates
Para mim é mentira tudo em que não creio. Direito meu. Direito seu, direito de qualquer um. Ninguém é obrigado a aceitar “verdades” que lhe vêm dos outros. E já vou logo dizendo do que se trata. De uma formidável “mentira”, ou “engano”. É uma pesquisa sobre leitura no Brasil. A manchete está diante do meu nariz, hoje não quero dizer diante dos meus olhos. E diz assim: - “Leitura é hábito de 56% da população, indica pesquisa”. Pesquisa feita pelo Ibope a pedido do Instituto Pró-livro. Bah, mas nem que a vaca dance um frevo vou acreditar nessa patranha. E, olhe, não vamos longe, faça a pesquisa aí em sua casa. Será que mais da metade do pessoal por aí anda com livro na mão para lá e para cá? Sim, porque “hábito” é algo recorrente, repetitivo, não vale o sujeito pegar um livro ao nascer e outro pouco antes de morrer, não vale. E também não vale o paspalhão do adolescente, ele ou ela, pegar num livro às vésperas de provas no colégio, isso não é hábito de leitura... Ah, e a tal pesquisa diz que os jovens brasileiros, os que estudam, leem em média 9,38 livros por ano. De jeito nenhum. Estão colocando na pesquisa como livros de “leitura” os livros didáticos, os do colégio, e nem assim daria essa média europeia e nobre. Se o fosse verdade, os nossos jovens que andam por aí não diriam tantas parvoíces, cometeriam tantos erros de português, não andariam rindo por nada, não seriam, enfim, pobres diabos como costumam ser... E me desculpe a franqueza. Levar para compadre ou comadre quem não justifica o esforço dos pais ou a expectativa deles em relação aos filhos estudantes é crime... A verdadeira pesquisa diz que os brasileiros que leem não leem mais que 1,9 livro por ano... Não chegam a dois. Isso entre os que leem, é a média. Mas quero deixar uma sugestão para os jovens pobres e para os poucos que valem a pena, poucos, bem poucos: adquiram o hábito da leitura, leiam furiosamente e de tudo um pouco, vão crescer fortes, robustos, não baixarão os olhos para um doutorzinho qualquer... Pelo contrário, serão respeitados, invejados, fofocados, tudo por despeito à qualidade de suas cabeças. Se o brasileiro lesse metade do que diz essa pesquisa aí de cima, bah, estaríamos na frente da Dinamarca, da Suécia, da Lua, de Marte... Razões E por que os jovens brasileiros não leem? Por que os pais não leem, porque as escolas não valorizam e incentivam, porque não se tem o hábito e a coragem de dar livros de presente, porque os governos não gostam de povo instruído, ele se torna perigoso, e porque estamos numa sociedade e época em que o que vale é a esbórnia, as drogas, o parecer ser, as tolices de redes sociais, às artes e aos costumes rasteiros, sem valor... Ler para quê, diante de tudo isso? E quem lê sofre bullying no colégio e na empresa onde trabalha. Regra geral. Falta dizer Historicamente os homens e os religiosos (asco) misóginos lutaram, lutam, para que a mulher seja bonita, recatada e do lar. Vantagens para eles, os medrosos. A mulher que for isso, coitada, será uma miserável existencial. Mas ela pode “acordar”, sempre poderá...
×