Um chute na canela nos faz acordar... Uma publicidade instigante também, só que... Mais das vezes, as publicidades assentam-se sobre inverdades ou movediças verdades. Vou explicar.

Veja esta chamada de vendas de um produto “estranho”, ela diz assim: - “Essa invenção japonesa permite que você fale 43 idiomas”. Ora, jamais houve alguém sobre a Terra que tenha falado, falado mesmo, quatro ou cinco idiomas. Falado, eu disse, não é um balbuciado de meia dúzia de palavras para quebrar o galho e enganar bobinhos. Nada disso. Falar é falar...

Bom, mas o segredo para essa fartura idiomática, 43 idiomas, vem de uma maquininha que ouve sons, os traduz e ao mesmo tempo pode “falar” para alguém ouvir o que você disse no seu idioma nativo. Tudo se resume a uma maquininha de tradução, para lá e para cá. Nada de novo, isso é velho. Agora, tem uma coisa...

Muitos parvos vão adotar essas maquininhas e achar que fizeram um grande negócio, não, não fizeram. Grande negócio faz quem se dispõe a estudar um idioma e parte para o esforço, assim, a pessoa terá “dentro” da cabeça uma competência para falar e entender, sem precisar trocar baterias nem cabos de energia.

Ser o que não sou é a pior das fraudes, uma fraude que pode enganar pessoas desavisadas, mas que nunca me vai enganar, saberei na minha intimidade que sou uma fraude, uma fake-news humana...

Vale para os que escondem, ou tentam esconder, suas misérias interiores nos carrões que compram e ostentam, nas roupas de grife, nos consumos dos rebanhos humanos de conteúdos nulos, mas tudo com muita pompa e circunstância, enganação pura.

Se você quiser “ser”, que seja por dentro, não por fora. Nossas exibições externas sempre poderão ser desmentidas por alguém que tenha na cabeça e não no bolso a “maquininha” de falar um idioma estrangeiro: o cérebro.

- “Fala, se queres que te conheça”! Fala em português, fala na tua língua nativa, fala para que te reveles... Ou, pode ser também: - Senta e escreve uma redação! Quem topar o desafio se garante, quem piscar diz quem é. Diz que é da maioria...

E para terminar, quem se garantir no inglês, terá passaporte para o mundo, as outras línguas são meros cenários, não mais. Quem disse isso? O mundo econômico.

 

Chiliques

Manchete nacional: - “Brasil consome 56 milhões de caixas de calmantes por ano”. Faz sentido. Somos o país com mais gente ansiosa nas Américas e o 5º do mundo em depressão. O diacho é que essas pessoas não têm “objetivamente” algo que as leve a essas insânias. Tristeza é objetiva, sabe-se de onde vem; depressão é vazio e fundo sentimento de nulidade... Não é doença. Mas o que mais se vê por aí é gente fingindo ser feliz. Fakes.

 

Elas

Ligo a tevê e... Vejo um casal de jovens brasileiros fazendo reportagens turísticas num pais do Oriente Médio (Deus me livre, nem de graça)... Ele vestindo camiseta, bermudas e tênis. E ela com a cabeça toda coberta com pano preto, sem liberdade para andar como mulher livre. Quem a mandou cobrir a cabeça? Eu queria esse biltre na minha delegacia, ele ia aprender a “proteger a cabeça”. Ah, ia!

 

Falta Dizer

Só para lembrar: a pior medalha da vida é a medalha de prata, a do 2º colocado. Segundo lugar é o primeiro lugar entre os perdedores. Aprendi isso no convívio com americanos quando fui repórter da Voz da América, por essa postura é que os americanos são os 1ºs do mundo.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger