Conheço muitas pessoas bonitas, lindas mesmo... Por fora. Só por fora, abrem a boca e se revelam toscas, grosseiras, sem graça nem um mínimo de charme, de elegância. É o que mais vemos por aí. Mas a sociedade “comercial” insiste em vender produtos de beleza, insiste em que todos se podem tornar elegantes... Mentiras deslavadas. Ninguém se pode tornar elegante se não nascer para a elegância.

Antes de ir adiante neste assunto irritante, pelos tantos e tantos tipos indigestos que andam por aí, vou lembrar uma delicada piada sobre ser sexy. Foi assim...

Uma mulher entrou numa loja de lingeries de alta qualidade e pediu à balconista: - “Querida, quero uma lingerie “daquelas”, uma que me deixe irresistível, sexy mesmo”! A vendedora nem piscou: - “Desculpe-me, senhora, nós vendemos lingeries, ser sexy é com a senhora, não com a roupa”.

E é isso o que mais vemos por aí, pessoas com boas roupas, bons carros, morando em boas casas, perfumadas, “enfeitadas” mesmo, mas toscas, grosseiras nos modos, mal-educadas de berço. E era aqui que eu queria chegar. Não adiantam os esforços pessoais ou da família, quando a pessoa não nasce com os bichinhos da elegância, dos bons modos na corrente sanguínea pode fazer o que fizer, frequentar os melhores colégios, tudo, não vai adiantar.

E graças a Deus que é assim, fosse de outro modo só os abonados do dinheiro poderiam ser elegantes e agradáveis. Pelo contrário, os mais pobres estão bem mais perto dos bons modos que os possuídos do dinheiro. Não tem sentido as tevês abrirem espaços enormes para mulheres dermatologistas falarem de beleza facial, retoques inúteis e preenchimentos que deviam ser feitos na sensibilidade, nas ações, nos gestos sociais, enfim.

Agora, uma coisa é certa: quem investir em bons modos, em educação para um convívio mais assertivo e agradável será, claro que será, uma pessoa bem mais perto da elegância do que as outras que apenas “se cobrem” com roupas caras e presenças em “ambientes”, aliás, os piores, os mais promíscuos.

Que pena, mas o que mais anda por aí são “pessoas-cabides” de roupas tidas por elegantes, mas por dentro, com reflexos fortes por fora, pessoas “feias” pela falta de educação e elegância. Melhor, bem melhor, é uma pessoa “feia”, mas sensível, elegante nos modos.

 

Bêbados

Comprovadamente bêbado? Causou um acidente com morte? Quero esse vagabundo na salinha dos fundos da “minha” delegacia... Ele vai descobrir com quantos “paus” se faz uma canoa... Depois disso, ficar preso por 20 anos e perder todos os direitos de cidadania de trânsito. Ou isso ou tudo vai continuar como está, se alguém tiver um desafeto e o quiser matá-lo impunemente basta beber e jogar o carro sobre ele... E a “justiça”? Quem?

 

Erro

Uma cantora brasileira, famosa (coitada...), disse, dia destes, que você tem que namorar alguém que seja seu fã. Ela falava por ela. Coitadinha, não sabe que o convívio mata o mito. Aquela pessoa a quem admiramos por ser famosa, rica ou isto ou aquilo, tão pronto passemos a conviver com ela caem as máscaras, o mito vira rotina, desaparecem as admirações. Melhor é amar alguém cujos encantos não sejam vistos pelos olhos... Bem melhor.

 

Falta Dizer

Dizem que os semelhantes se atraem, mas vejo tantos casos díspares que fico a pensar... Se um não presta, é bom que encontre outro que também não preste... Já uma pessoa do bem, elevada, é desejável que tenha outra parecida ao seu lado, mas... Não é o que mais vemos. Há muita gente, inconscientemente, querendo se punir, e se alia a um tipo oposto. Vai sofrer muito.