Estava quieto no meu canto quando alguém veio lá de dentro, sem fôlego – “Liga a tevê, liga a tevê, põe na Fátima”! Diante de tanta histéria, pus na Fátima, no programa... E lá estava, cercado de fãs, um baita “sucesso”, um nada, um blogueiro que pensa que canta, faz mímicas e diz bobagens (que novidade) quando está na rua, dirigindo. O apoucado faz micagens, canta tolices e solta as mãos do volante, um nada da cabeça aos sapatos. Baita “sucesso”, tão sucesso que foi levado ao programa da Fátima. Agora é assim. Em todos os canais a mesma coisa, chulices, bobagens, gente leviana, ditos sem graça, músicas sem pé nem cabeça, cantores sem voz, malvestidos, pobres bichos, enfim... “Sucessos”. Agora é assim. Dia destes, no mesmo programa em que o sem-nada exibia seu “sucesso”, a Fafá de Belém, que era convidada do programa, tentou dizer algumas verdades sobre safadezas no Brasil e sobre onde vai parar o enorme dinheiro arrecadado pelos governos... Ela foi imediatamente interrompida, a apresentadora, que não era a Fátima, ouviu ordens pelo “ponto”, um invisível fone nos ouvidos da apresentadora, com ordens para “cortar” a Fafá... Para que falassem só de coisas boas... Agora é assim. Coisas sérias na tevê? Nem pensar. Bater na mesa em protesto contra sujeiras de qualquer sorte? Proibido ou rua, sei bem... E outra coisa, preste atenção, “todos” têm que estar rindo ou fazer rir nesses auditórios de tevê que andam por aí... Nada de cara séria ou assunto que “fira” vagabundos de qualquer tipo. Proibição absoluta. Riso, humor, brincadeiras, tudo “pra cima”, tudo em alto astral, é a ordem. Risos e mais risos, é o roteiro. Nesses momentos, me lembro do que aprendi na escola marista, com “irmãos” disciplinadores como generais da antiga Esparta... Quando um guri estava achando graça não se sabe do que, o padre sentenciava: - “O riso sem motivo é sinal de ignorância”. Quem disser isso hoje numa escola ou televisão vai para a rua ou nunca mais será convidado, se for um convidado. Rua. Na hora. E depois, alguns “arvoados” querem mudar o Brasil, coitados. A ordem – não escrita – é mudar para baixo, para cima dá encrenca. Para baixo dá lucro... Crença Aprendi na faculdade de Psicologia que quando vemos ou ouvimos vozes e ninguém está por perto, isso se chama alucinação, percepção sem objeto. Loucura. Aí, abro o jornal e leio: - “Padre (bem famoso) entra no Instagram e diz que foi por ordem do Senhor”. Engraçado, se eu digo isso, não vai faltar quem diga: - “Olha essa, amor, eu não te disse que ele era louco”... Que conversa é essa de “ordem do Senhor”? Isso faz lembrar espertalhões que expulsam demônios do corpo de pessoas em palcos de igrejas (pessoas histéricas e encomendadas, é claro). Circo puro. Nenhum diretor da GM ou do governo americano tem diabo no corpo ou ouve a voz do Senhor... Curioso. Falta dizer Dia destes, na tevê, uma advogada defendia ciclista em São Paulo. Dizia que vai para o trabalho todos os dias na sua bike e que assim economiza 140 reais por mês, bah! Só não disse se toma banho ao chegar ao escritório suada, imunda...