Assisto ao programa todos os domingos, terminado o programa, desligo a tevê, furioso da vida. Que programa é? Prelúdio. Programa de seleção de músicos eruditos, tocadores de música clássica, de todos os instrumentos. É na TV Cultura, de São Paulo.

E de onde me vem a fúria? Vem de os vencedores ganharem bolsas de estudo para aperfeiçoamento musical na Dinamarca, na Suécia... Isso me irrita. Por que viajar para tão longe para aperfeiçoar o talento musical se estamos num país tão celebrado como alegre, musical, desportivo, isso e mais aquilo?

Por que não por aqui mesmo esses aperfeiçoamentos? Você sabe a resposta. Aqui é funk, rebolados ridículos, cantores sem voz, sem talento, sem ritmo, sem graça, sem nada, mas... bah, ovacionados, sucessos. A propósito, conheces alma tevê, não oficial, que tenha um programa de música clássica? Ora bolas!

Conheci, por essas deploráveis redes sociais, uma desbocada, uma youtuber “famosa”. Famosa por quê? Pelas baixarias, pelos palavrões, pela postura de beira de estrada, para não dizer pior... Só que ela foi chamada para fazer televisão, para ser estrela. E agora?

O que sobra para uma garota comportada, talentosa, rica de memórias clássicas, pessoa, enfim, bem-educada? O que sobra? Nada. Sobra o descaso, o anonimato.

E para um rapagão talentoso, voz afinada, canções com letras civilizadas, um cantor, enfim, qual o destino dele na televisão? Nenhum, afinal, o tal rapagão não usa cílios postiços... Agora é assim. E é assim em tudo. O guri que faz bullying na escola é bem tratado, tem psicólogas com ele, tem pedagogas, tem sobradas compreensões, afinal, ele deve ter problemas caseiros... E fica numa boa. Já as vítimas desse vagabundo são esquecidas, ninguém lhes dá atenções, ficam na deles... É isso e é regra geral.

Vagabundos presos por corrupção, por safadezas milionárias, são respeitados, procurados, aplaudidos, queridos até... E os que nunca pegaram dinheiro público, nunca fizeram uma safadeza a lesar pessoas ou ao povo? Esses ninguém conhece e se conhecê-los, sem dúvida, serão chamados de burro.

Já contei aqui de um “cursinho” de inglês para crianças e adolescentes de Florianópolis que um dia promoveu uma gincana com prêmios para os três primeiros colocados. No fim, teve que dar medalhas para todos, afinal, os perdedores abriram a goela chorando frustrações. Para não descontentar a ninguém, todos premiados. Nojo. Agora é assim.

Direito

Cada vez mais vejo gentinhas com fones de ouvido andando para lá e para cá nas ruas. Atravessam a rua mal olhando para os lados, fones enfiados nas orelhas. Ouvem o quê? O que pode ser tão importante? Para os vazios tudo é importante... Depois, quando atropelados, queixam-se do trânsito violento. Vale para os ciclistas, sem nenhuma habilitação de responsabilidade, andam sem segurança e atrapalhando ainda mais o trânsito. País sem leis nem autoridades. Gentinha.

Cuidado

Fato. O guri era insuportável em sala de aula, incomodativo mesmo. A família foi chamada e... a escola foi acusada de não ter dado os devidos cuidados de que o menino precisava na sua “patologia”. Negativo, compadres. Não é função das escolas servir de manicômio ou coisa parecida. Problemas de conduta, psicológicos ou psiquiátricos, é com a família, ela que assuma, ué, gente!

Falta dizer

Era uma reportagem sobre Educação Financeira, jornal de São Paulo. Num exemplo da reportagem, um jovem casal, ele 21, ela 22 anos. Não têm onde cair mortos, mas... estão preparando o casamento para março e já disseram que vão “viajar”. É bem assim, as gentinhas não têm o que comer, mas vivem viajando. Depois se queixam do governo... Merecem a miséria.