Quando estamos com a corda no pescoço, pensamos. Devia ser o contrário, quando tudo está bem é que devíamos pensar: - “Pô, estou numa boa, preciso me comportar para continuar assim, tenho que agradecer à vida pelo momento por que passo...”.

Não é assim, todavia, que costumamos pensar. Mas, de repente, surge-nos uma “quarentena” em nossa vida, uma quarentena que nos pode chegar pelas mais diversas razões. Por estes dias, a quarentena tem sido pelo Coronavírus, não vale.

Neste caso, pensamos à força, somos obrigados a pensar, a avaliar, a refletir. Muitas pessoas só descobrem a vida quando estão numa UTI, pode ser tarde. Deviam ter pensado antes.

Outros só descobrem que a empresa e os colegas eram legais depois de demitidos. É tarde.

Outros se divorciam para descobrir, minutos depois, que ela ou ele não era tão ruim assim... É tarde.

Estou dizendo isso, leitora, porque acabei de ler uma frase num livro do padre Fábio de Mello, baita cara, o livro se chama “Por onde for o teu passo, que lá esteja o teu coração”, que vou repassá-la a você, ela é significativa.

Aliás, esse livro devia ser lido por todos os empresários e pessoas “muito ocupadas”...

A frase do Fábio é esta: - “É empenho diário não permitir que as coisas que compramos nos comprem”. Lacraste, Fábio! É isso mesmo.

O que compramos acaba por nos comprar, mas na hora de comprar sabíamos disso. Um saber inconsciente, mas um saber.

Um idiota, por exemplo, que tem um barco e compra outro bem maior... O que ele busca? Ser comparado ao barco pelos parvos que o cercam. Quer dizer, o sujeito não troca de barco por ser um pescador, troca por idiota.

E assim com casas, carros, produtos de grifes, status de todo tipo com resultados nulos para o bem-estar emocional.

Pensamos que o “ter” nos faz “ser”, até pode ser para os olhos dos tapados, mas, no fundo, os que são propriedades de suas propriedades sentem-se vazios, depressivos, nulos para uma vida melhor.

O essencial é invisível para os olhos, dizia a raposa de O Pequeno Príncipe. Não é. A família é “visível”, a saúde é visível, a vida é visível. Só não veem isso os “cegos” das verdadeiras felicidades.

Obrigado, Coronavírus, obrigado pelo “ficar em casa”, onde mora a felicidade. Ou devia morar.

Momentos

O ser humano, pela Lei Natural, sabe de tudo, de tudo o que de fato importa para a vida. Sabe, por exemplo, que precisamos de muito menos do que temos para viver bem.

Todavia, temos bugigangas “importantes” de que não abrimos mão, mas... Na hora em que o bicho pega, ah, quantas coisas inúteis eu tenho, trocaria todas elas por um momento melhor.

Quantos já disseram isso na vida? Saber disso é saber viver. Poucos sabem, ainda que “saibam”...

Coitada

Ela é cantora “sertaneja”, quer dizer, sem definição nem talento.

A notícia dizia que a tosca está em quarentena amorosa com o “namorado”, e ela não teve pejo em dizer que era um grande momento para fazer um menino. Estúpida.

E de quarentena com o “namorado”? Desde quando essa promiscuidade? E fazer “um menino”, por que não uma criança? Ridícula, como milhões iguais a ela.

Falta dizer

A publicidade num site de jornalismo dizia assim – “Estimulante natural poderoso que levanta a disposição do homem chega ao Brasil”.

Notaste a vulgaridade, leitora? Os toscos querem “levantar”...

Num primeiro momento, pensei que estavam falando de livros, os fortificantes que de fato levantam qualquer um. Livros dão “potência”, toscos!

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul